Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Gigantes da internet podem ser ameaça à democracia

Gigantes da internet podem ser ameaça à democracia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os eleitores da União Europeia são chamados a votar em maio do próximo ano a fim de elegerem um novo parlamento europeu.

"Os perigos do que está para vir com a inteligência artificial são muito piores do que o que vimos até agora"

Jonathan Taplin Autor, "Move Fast and Break Things"

As instituições europeias estão particularmente alerta relativamente aos riscos de interferência e desinformação durante a campanha eleitoral. Neste âmbito, as plataformas digitais estão debaixo de grande escrutíneo.

O autor norte-americano Jonathan Taplin é especialista nestas questões e defende que os gigantes da internet podem representar uma ameaça às nossas democracias.

"Penso que o Facebook, Youtube, Twitter e a Amazon até certo ponto são uma ameaça às nossas democracias porque servem de plataforma à propagação de notícias falsas. Os perigos do que está para vir com a inteligência artificial são muito piores do que o que vimos até agora. E não seremos capazes de acreditar em nada do que vemos a não ser que encontremos uma maneira de o fazer" disse o autor da obra "Move fast and break things".

Jonathan Taplin afirma que a Google controla 91% do mercado de buscas na internet, o Facebook e todas as companhias que lhe pertencem têm 75% do tráfego de redes sociais e telemóveis e a Amazon controla 75% do mercado da venda de livros. O perigo, segundo o autor, é o monopólio detido por estes gigantes. Para ele, os monopólios são uma ameaça e aqui destaca os esforços feitos pelo Facebook para limpar a plataforma.

"Acredito que pelo menos o Facebook está a fazer um grande esforço para limpar a plataforma. Antes das eleições em França retiraram 30 mil contas falsas. Supostamente fecharam quase um milhão de contas falsas nos Estados Unidos nos últimos dois meses. Esse esforço é um começo", adianta Taplin.

O autor termina dizendo que em matéria de proteção dos dados e de luta contra a desinformação, a União Europeia devia servir de exemplo aos Estados Unidos.