Última hora

Última hora

Attenborough: a "civilização está sob ameaça" das alterações climáticas

Em leitura:

Attenborough: a "civilização está sob ameaça" das alterações climáticas

Attenborough: a "civilização está sob ameaça" das alterações climáticas
Tamanho do texto Aa Aa

A reunião mais importante do ano sobre alterações climáticas está a acontecer na Polónia. A tarefa dos líderes mundiais é criar um livro de regras que transformará o acordo climático de Paris2015 numa realidade viável.

Mas se os líderes políticos sentem a necessidade de serem diplomáticos quanto ao desafio que é preciso enfrentar, um homem não poupou nas palavras.

“Neste momento enfrentamos um desastre provocado pelo homem à escala global. A nossa maior ameaça em milhares de anos é a alteração climática. Se não tomarmos medidas, o colapso das nossas civilizações e a extinção de grande parte do mundo natural está no horizonte," declarou o ambientalista Sir David Attenborough.

Attenborough ocupa o "lugar do povo" na conferência. A missão é atuar como um elo entre a população mundial e os formuladores de políticas na reunião.

"A população mundial falou. A mensagem é clara. O tempo está a esgotar-se. Querem que vocês, que tomam as decisões, ajam agora," afirmou David Attenborough.

A intervenção do ambientalista britânico recebeu aplausos comedidos, talvez por alguns delegados questionarem o peso da redução de combustíveis fósseis sobre a economia.

Um estudo recente mostrou que a redução das emissões de CO2 (dióxido de carbono) está muito aquém do objetivo do acordo de Paris de limitar os aumentos de temperatura durante este século a não mais do que 2 graus Celsius acima dos níveis pré-industriais.

Greta Thunberg tem 15 anos e não tem dúvidas sobre quem deveria agir. Está empenhada, organiza mini-greves na escola para realçar o perigo do aquecimento global,

"É muito assustador que os políticos não estejam cientes da questão mais importante do nosso tempo. Acho que são todos irresponsáveis. Eles não percebem o poder que têm, o quanto poderiam fazer, mas preferem não fazer," afirmou a estudante e ativista sueca Greta Thunberg.

Apesar de líderes como o presidente dos EUA, Donald Trump, não estarem presentes, o Banco Mundial está a incentivar os países a tomarem medidas contra as alterações climáticas e anunciou 200 mil milhões de dólares em financiamento.