Última hora
This content is not available in your region

Coletes amarelos sim, violência não

Coletes amarelos sim, violência não
Tamanho do texto Aa Aa

Os protestos dos "coletes amarelos" estendem-se a comunidades por toda a França. A repórter da Euronews, Anelise Borges, juntou-se a manifestantes na cidade de Rennes, onde as opiniões se dividem. Há mesmo quem critique a violência que ocorreu em Paris.

Um manifestante explica que estão infiltrados "nos protestos grupos organizados, anarquistas ou de extrema-direita, que são verdadeiros exércitos secretos, que se movem rapidamente" e apela "aos "coletes amarelos" para não os seguirem... Quando os virem chegar se afastarem e deixarem-nos isolados".

Mãe e filha falam das frustrações que as levaram a juntar-se ao movimento e aos protestos em Rennes. Para a mais jovem é "o futuro" dos filhos que a preocupa. Acrescenta que se hoje se vive mal os filhos viverão pior, "e isso não é normal. (...) Porque não devemos esquecer-nos de uma coisa", frisa, "não são os ricos que fazem França, são as pessoas como ela, que fazem o país, a economia do país.

A mãe desabafa: "estou cansada de não ter um mês decente, cansada de não ir de férias, de tudo o que beneficia as pessoas ricas. Sabemos que o dinheiro existe, (...) que França é rica" e acusa o governo de colocar o dinheiro nos bolsos.

A enviada da euronews a Rennes, Anelise Borges, acrescenta que "as autoridades estão a preparar-se para mais um fim de semana de manifestações em massa". Diz que se esperam cerca de 90.000 polícias nas ruas de França. "Paris será o centro dos protestos e deverá estar fechada. As autoridades pedem que as lojas continuem encerradas".

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.