Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Nobel da Paz contra a violência sexual como arma de guerra

Nobel da Paz contra a violência sexual como arma de guerra
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Denis Mukwege e Nadia Murad receberam esta segunda-feira o Prémio Nobel da Paz, em Oslo. O Comité do Nobel decidiu distinguir o médico e a ativista pelos "esforços para acabar com a violência sexual como uma arma de guerra".

Ele, enquanto médico, tem dedicado a vida a ajudar as mulheres vítimas de violência sexual em tempos de guerra no Congo. Ela, yazidi, foi escrava sexual do autodenominado Estado Islâmico, mas conseguiu fugir e contar a sua história.

"Muito obrigada por esta honra, mas, na verdade, o único prémio no mundo que pode restabelecer a nossa dignidade é a Justiça e o julgamento dos criminosos. Não há prémio que possa compensar o nosso povo e os nossos familiares que morreram simplesmente por serem yazidis", afirmou Nadia Murad,

Nadia Murad tem chamado a atenção para a situação da comunidade Yazidi. Investigadores da ONU para os crimes de guerra estão agora no Iraque.

Denis Mukwege é ginecologista num hospital no leste da República Democrática do Congo, onde há 20 anos trata mulheres que foram violadas durante a guerra no seu país.

O médico espera que os líderes dos países onde esses crimes ocorram sejam julgados: "Os Estados devem parar de estender-lhes o tapete vermelho. Devem isso sim estabelecer uma linha vermelha contra o uso da violação como arma de guerra. Esta linha vermelha deve consistir em impor sanções económicas e políticas contra estes líderes e levá-los a tribunal. Fazer o que está certo não é difícil. É apenas uma questão de vontade política".

O Comité do Nobel decidiu distinguir o médico e a ativista pelos "esforços para acabar com a violência sexual como uma arma de guerra".

O médico aproveitou o discurso para denunciar que o seu país é sistematicamente saqueado por pessoas que dizem ser líderes.