Revisão do Orçamento de Estado só em 2019

Revisão do Orçamento de Estado só em 2019
Direitos de autor REUTERS/Stephen Eisenhammer
De  Nara Madeira com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Queda no preço do barril de petróleo não "preocupa", pelo menos para já, autoridades angolanas que dizem que revisão do Orçamento de Estado só em 2019.

PUBLICIDADE

O ministro das Finanças de Angola garantiu hoje que a queda continua do preço do barril do petróleo não levará o país a fazer, de imediato uma revisão do Orçamento Geral do Estado para 2019.

O governo vai manter os pressupostos da proposta e remete uma possível revisão para depois do primeiro trimestre do próximo ano:

"A queda começou em novembro, temos estado a acompanhar o mês de dezembro e, pelo menos até o primeiro trimestre de 2019, temos de ir acompanhando, para ter uma série temporal bastante justificativa para fazermos uma alteração do OGE. (...) Logicamente, se assistirmos a uma contínua queda do preço do petróleo, seremos forçados a propor à Assembleia Nacional um orçamento retificativo", afirmou o governante aos jornalistas.

Archer Mangueira expressou esta posição após a aprovação, no parlamento, e na especialidade, do "Relatório Parecer/Conjunto da proposta de Lei do OGE para 2019". O documento foi aprovado com 36 votos a favor, nove contra (do grupo parlamentar da UNITA) e duas abstenções (da Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE)).

A proposta de Lei do OGE para 2019 vai sexta-feira a votação final global na Assembleia Nacional. O documento prevê receitas e fixa despesas em 11,3 biliões de kwanzas, mais de 32 mil milhões de euros. Teve como preço de referência, para o barril de de petróleo exportado, 68 dólares. às 16 horas de dia 10 de dezembro o valor, no mercado internacional, era de pouco mais de 60 dólares, por barril, menos de 53 euros.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"A banana pode ser o novo petróleo verde de Angola"

Reino Unido: Município de Birmingham declara falência

Governo britânico apresenta orçamento do Estado num período de greves sucessivas