Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Brexit: Cimeira da UE recusa pedido de May e prepara não acordo

Brexit: Cimeira da UE recusa pedido de May e prepara não acordo
Direitos de autor
Alastair Grant/Pool via REUTERS
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O desalento estava marcado nas feições da primeira-ministra britânica, Theresa May, à chegada para o segundo dia da cimeira da União Europeia, sexta-feira, em Bruxelas.

Não, não, não, não haverá nenhuma renegociação. Está fora de questão, basta!

Xavier Bettel Primeiro-ministro, Luxemburgo

Poucas horas antes, os homólogos recusaram anexar ao acordo do Brexit novas garantias jurídicas vinculativas sobre o chamado "backstop".

Trata-se de um mecanismo que visa evitar a criação de uma nova fronteira entre a República da Irlanda (Estado-membro) e a Irlanda do Norte (parte do Reino Unido), obrigando este território britânico a manter-se na união aduaneira até que haja um novo acordo comercial entre a União Europeia e o Reino Unido.

"Não, não, não, não haverá nenhuma renegociação. Está fora de questão, basta! Já negociámos tudo, apenas poderemos oferecer esclarecimentos, caso precisem, mas apenas isso", disse, enfaticamente, Xavier Bettel, primeiro-ministro do Luxemburgo, à chegada para o último dia da cimeira.

Essa declaração política poderá reforçar, apenas, que a União Europeia quer, rapidamente, começar a discutir a futura relação político-económica, evitando que o mecanismo seja algum dia acionado, vendo-o como uma espécie de apólice de seguro.

"O Conselho Europeu também realça que, se o mecanismo backstop for acionado, se aplicará temporariamente, a menos que seja substituído por um segundo acordo que assegure que a fronteira rígida será evitada", disse o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, na conferência de imprensa, à meia-noite de quinta-feira.

REUTERS/Yves Herman

Por seu lado, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, disse que vai intensificar os preparativos para o cenário do não acordo, apresentando planos a 19 de dezembro.

Os Estados-membros também consideram esse cenário mais provável, segundo o primeiro-ministro da Bélgica, Charles Michel: "Objetivamente falando, pelo que ouvimos ontem, não é particularmente reconfortante a capacidade da Grã Bretanha para honrar o seu compromisso sobre o que ficou decidido e vamos começar a preparar todas as hipóteses possíveis, incluindo um cenário de não acordo."

A imprensa britânica reagiu com manchetes muito negativas, algumas considerando que Theresa May saiu humilhada desta nova tentativa para aprovar o tratado para que o Reino Unido abandone a União Europeia a 29 de março de 2019.

"Facada no backstop: os líderes da UE dizem à PM para ir dar uma volta", escreveu o jornal "The Sun.

O Partido Trabalhista, na oposição, disse que May falhou e pediu uma votação, na próxima semana, no Parlamento.

O antigo primeiro-ministro britânico trabalhista, Tony Blair, disse que deverá haver uma segunda consulta ao povo britânico: "A Europa deve preparar-se para a possibilidade em vias de se transformar na probabilidade de o Reino Unido precisar de uma extensão de tempo para o processo do Artigo 50.º, seja para continuar a negociar ou, o mais provável, conduzir um novo referendo".