Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Um pacto para os refugiados com a oposição dos EUA

Um pacto para os refugiados com a oposição dos EUA
Tamanho do texto Aa Aa

A assembleia-geral das Nações Unidas adotou um pacto para os refugiados a nível global, num plano segue as recomendações do Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados. A resolução foi aprovada com 181 a favor, mas contou com a oposição dos Estados Unidos e da Hungria.

Budapeste defendeu um pacto "mais claro" no que diz respeito a direitos e responsabilidades dos Estados membros.

"O Governo húngaro está preocupado com o facto de que a diferenciação entre migrantes e refugiados e de que a natureza voluntária da partilha de responsabilidade não fiquem adequadamente refletidas no documento," disse Katalin Bogyay, representante permanente da Hungria para a ONU.

As resoluções das Nações Unidas relativas ao trabalho do ACNUR têm sido aprovadas em consenso nos últimos 60 anos.

O voto contra da parte dos Estados Unidos e da Hungria marca um ciclo de crise no Planeta, onde cerca de 25 milhões de pessoas vivem com o estatuto de refugiado.

Filippo Grandi, Alto Comissário da ONU para os Refugiados, defendeu mais solidariedade e menos politização:

"Neste nosso mundo, que tantas vezes vira as costas aos mais necessitados, tem sido politizada, de forma vergonhosa, a dor dos que se encontram no exílio. Continuamos a demonizar migrantes, refugiados e, às vezes, qualquer estrangeiro."

As resoluções da assembleia-geral das Nações Unidas não são vinculativas, mas a sua aprovação tem um peso importante no seio da Comunidade Internacional.