Última hora

Última hora

Efeito Bolsonaro vale novo recorde na bolsa brasileira

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes caíram nas boas graças dos investidores
@ Copyright :
REUTERS/Ueslei Marcelino
Tamanho do texto Aa Aa

A bolsa brasileira abriu o ano com um novo recorde, ultrapassando os 91 mil pontos (duas vezes em 24 horas) e com o princípal índice, o Ibovespa, a fechar a primeira sessão de 2019 a subir 3,56 por cento, numa semana já marcada também pela queda do dólar e que est já a afetar também o mercado brasileiros.

O alento dos mercados resultou das declarações do ministro da economia no novo executivo do Presidente Jair Bolsonaro e também da continuidade de Wilson Ferreira Jr. à fente da Eletrobras, uma das cotadas mais fortes.

Após a tomada de posse, Paulo Guedes reafirmou as prioridades do governo para relançar a economia do Brasil, a começar desde logo "controlo de gastos."

Neste particular, estão a reforma do regime de pensões, com critérios mais apertados para conseguir os benefícios e o combate às fraudes no setor, a descentralização de recursos públicos pelos municípios (numa medida que deverá cativar o apoio do poder local onde o partido de Bolsonaro está menos representado) e as prometidas privatizações para reduzir o peso do Estado e garantir um encaixe rápido, que permita também baixar os impostos.

Os investidores gostaram do que ouviram e isso refletiu-se numa onda positiva na Bolsa, "surfada" mesmo até ao fecho do primeiro dia de negociação deste novo ano.

Entre as privatizações no topo da lista surgem a Empresa Brasileira de comunicação, que congrega sobretudo meios de de comunicação estatais como a TV NBR ou a Agência Brasileira, mas também os caminhos-de-ferro através das empresas Valec e Empresa de Planeamento e Logística (responsável pelo desenvolvimento da linha de alta velocidade).

Em relação à Petrobras, a equipa de Bolsonaro admitiu privatizar parte do espólio da petrolífera e a medida poderá avançar em relação pelo menos a algumas das refinarias e ao setor da distribuição, mantendo sempre um poder de veto dentro da companhia.

O mesmo deverá acontecer com a Eletrobras, uma privatização parcial da empresa, num setor que já conta com um forte investimento da China, ao qual Portugal não será alheio.

A tentativa de "limpeza" do Estado prometida por Bolsonaro terá ainda, contudo, que de ter em conta a oposição no Congresso. Um trabalho de diplomacia política interna que deverá estar também no topo das prioridades do novo governo do Brasil.

O novo Presidente do Brasil reúne-se esta quinta-feira, no Palácio do Planalto, pela primeira com os 22 ministros já empossados. De acordo com a Agência brasil, a redução da burocracia e do peso da máquina do Estado, assim como a melhoria da qualidade dos serviços prestados à população, estão na agenda de discussões.

Ao mesmo tempo, mais de 300 funcionários que integravam a Casa Civil da Presidência foram afastados para abrir espaço a uma equipa mais alinhada com as ideias do novo executivo.