Última hora

Travessia do Mediterrâneo matou mais de seis pessoas por dia em 2018

Travessia do Mediterrâneo matou mais de seis pessoas por dia em 2018
Tamanho do texto Aa Aa

A travessia do Mar Mediterrâneo continua a ser a mais perigosa do planeta para os refugiados e migrantes. O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados publicou os números de 2018 e apesar da quebra, continuam a morrer mais de seis pessoas por dia.

Ao longo do ano passado, foram dadas como mortas ou desaparecidas 2 262 pessoas nas águas do Mediterrâneo. Os números são preocupantes mas não deixam de mostrar uma evolução relativamente a 2017, ano em que perderam a vida na travessia mais de três mil pessoas.

Em relação aos migrantes que conseguiram cruzar o Mediterrâneo, também se verifica uma quebra. Longe vai o pico de 2015, quando mais de um milhão de migrantes conseguiu chegar ao Velho Continente. Em 2018 esse número ficou-se pelos 113 482, no ano anterior tinha sido superior a 170 mil.

Espanha foi o país que recebeu mais migrantes, mais de 55 mil, cerca de o dobro relativamente a 2017. Por contraste, a Itália ficou-se pelos 23 mil, um quinto dos migrantes recebidos no ano anterior, uma descida a que não é alheia a decisão de fechar os portos a navios humanitários.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.