Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Diretor-geral da IOM critica instrumentalização política da migração

António Vitorino passou por Lisboa e deu uma entevista à RTP
António Vitorino passou por Lisboa e deu uma entevista à RTP -
Direitos de autor
Programa 360/ RTP
Tamanho do texto Aa Aa

O diretor-geral da Organização Internacional das Nações Unidas para as Migrações (IOM, na sigla original) critica os políticos populistas que exploram o medo das pessoas através das atuais vagas intensas de migração pelo mundo para ganharem força.

De passagem por Lisboa, primeiro com uma intervenção no Seminário Diplomático dos embaixadores portugueses e mais tarde com uma entrevista ao programa 360, da RTP, António Vitorino comentou a atual situação dos migrantes no mundo e pediu "coragem" aos políticos numa gestão maias humana da atual crise migrante.

Pela tarde, Vitorino considerou que "o crescimento da vaga populista vai de par com o retrocesso da cooperação internacional", apontando o dedo às "decisões unilaterais de abandono de organizações e de acordos internacionais", como o Pacto Gobal para as Migrações, da qual se afastou recentemente também o Brasil, de Jair Bolsonaro.

O diretor-geral da IOM deu como exemplo, aos embaixadores portugueses, o caso alemão do AfD. "Nunca passou de um partido marginal. A partir do momento em que fez das migrações o centro da sua política, disparou", considerou, explicando que a "deriva populista alimenta-se do ressentimento dos perdedores da globalização e dos que olham para os migrantes como resultado da pressão globalizadora."

À noite, na RTP, Vitorino defendeu que "algumas forças políticas pretendem utilizar as migrações e instrumentaliza-las como o bode expiatório fácil para um conjunto de males sociais que existem nas sociedades desenvolvidas e que vão muito para além da específica questão das migrações."

Estas declarações surgem numa altura em que o Brasil, um dos principais destinos dos venezuelanos em fuga, tem um novo governo assumidamente contra a imigração e em que o presidente dos Estados Unidos, mesmo com o respetivo governo suspenso devido a isso, insiste no financiamento de um muro na fronteira como México.

Donald Trump publicou inclusive esta quinta-feira um vídeo muito controverso a associar a atual vaga de migrantes a tentar cruzar a fronteira à criminalidade americana.

De acordo com os números divulgados pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), há cerca de quatro mil migrantes atualmente retidos na fronteira entre o México e os Estados Unidos.

No Mediterrâneo, em 2018, o mesmo organismo estima terem morrido menos gente na travessia rumo à Europa, tal como terá havido bem menos gente a fazer-se ao mar em busca do sonho europeu.

Sobre estes últimos, António Vitorino analisou os números à proporção e com uma perspetiva negativa.

"Podemos dizer que há mais mortos (2262 contra 3139 no ano anterior) em relação ao número de travessias (113.482/ 172.301)", interpretou o líder da IOM, ressalvando o ligeiro aumento de 1,8 mortos por cada 100 travessias de 2017 para 2 mortos por cada 100 em 2018.

Para Vitorino, o grande motivo para a diminuição de travessias passa pelos "controlos à partida hoje mais eficazes". "Há um melhor funcionamento da guarda costeira da Líbia, que permite dissuadir as pessoas de empreender esta jornada quase suicida. Isto prova que é necessário ter uma ação mais dissuasiva para persuadir as pessoas de que este não é o caminho", sublinhou.

Pode não ser o caminho, mas esta travessia do Mediterrâneo rumo à Europa continua a ser uma das mais procuradas e é ainda rota mais perigosa do planeta para os migrantes. Há menos gente a fazer-se ao mar, mais ainda são milhares os que ficam pelo caminho.

Alguns estão em fuga de situações perigosas, outros apenas em busca de uma vida melhor e, entre estes, há quem esteja a ser "empurrado" por um problema cada vez mais grave, negligenciado também por alguns governos como o dos Estados Unidos ou agora também o do Brasil: as alterações climáticas.

"As alterações climáticas não é só o CO2 que está na atmosfera. É a alteração da vida das pessoas. Em muitas zonas da África Central, o que se está a verificar é que com a falta de água -- e a água vai ser sem dúvida a questão central do século XXI -- as pessoas têm de abandonar os campos e vêm para as cidades, mas muitas vezes as cidades desses países não têm condições para os acolher", disse António Vitorino.

O diretor-geral da IOM considera as alterações climáticas e as consequentes condições extremas que se criam outro dos grandes impulsionadores da mobilidade humana intercontinental nas próximas décadas.