Ciberataque leva Alemanha a pedir ajuda à norte-americana NSA

Ciberataque leva Alemanha a pedir ajuda à norte-americana NSA
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ministro do Interior, Horst Seehofer, declarou que se vai reunir com a agência para a segurança informática BSI para a meio da semana informar o público com rigor sobre o que aconteceu e o que está a ser feito.

PUBLICIDADE

As autoridades alemãs solicitaram auxílio à agência de segurança nacional dos Estados Unidos (NSA) depois de piratas informáticos terem publicado dados privados de centenas de políticos e personalidades da Alemanha. A informação é avançada pelo jornal Bild.

Naquele que será o maior crime do género no país, os investigadores pretendem também que a rede social Twitter forneça dados e encerre as contas que divulgaram os dados onde se incluem por exemplo telefones, moradas e protocolos de mensagens digitais da chanceler Ângela Merkel.

Em 2015 ocorreu um ataque idêntico contra o Bundestag. Na altura, a multinacional de defesa e cibersegurança "Trend Micro" apontou a autoria desse e outros crimes ao grupo Pawn Storm, com ligações à Rússia, cujo governo sempre negou qualquer implicação.

O mal-estar é evidente e os olhares dirigem-se para a agência federal alemã para a segurança informática (BSI). A BSI garante que dificilmente poderia ter prevenido, apesar de terem recebido informações sobre atividades suspeitas que se revelaram agora estarem ligadas a este roubo informático sensível em grande escala.

O ministro do Interior encontra-se sob pressão. De acordo com a imprensa local, Horst Seehofer declarou que se vai reunir-se com a BSI para a meio da semana informar o público com rigor sobre o que aconteceu e o que está a ser feito.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Breves de Bruxelas": EU aumenta capacidade na cibersegurança

Estudante de 20 anos confessa ataque informático na Alemanha

Principal suspeito do rapto de Madeleine McCann volta a tribunal na Alemanha