Última hora
This content is not available in your region

Teerão exige medidas económicas da parte da Europa

Teerão exige medidas económicas da parte da Europa
Tamanho do texto Aa Aa

O Irão enfrenta uma série de desafios internos e externos, nomeadamente a retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear e a asfixia da economia. Teerão afirma que continuará a cumprir o acordo se os países europeus respeitarem os compromissos no domínio económico.

O correspondente da Euronews em Teerão, Javad Montazeri, entrevistou o vice-presidente da República Islâmica do Irão, Eshaq Jahangiri.

euronews: "Em que ponto está o acordo de Viena sobre o programa nuclear iraniano? Temos a impressão de que o povo iraniano está cansado das discussões intermináveis em torno do acordo. Como responde aos que criticam o plano?"

Eshaq Jahangiri: "O acordo foi uma das medidas mais importantes da República Islâmica do Irão. O acordo foi assinado para pôr fim à alegação segundo a qual existiam pressões sobre a República Islâmica do Irão e sobre o povo iraniano. Tanto durante as negociações como agora, sempre tentámos partilhar as questões de forma honesta com o nosso povo. Infelizmente, as sanções norte-americanas foram reintroduzidas de forma mais severa após a decisão unilateral de Washington de abandonar o acordo. Na nova série de sanções, os Estados Unidos exploraram todas as possibilidades, incluindo seduzir e ameaçar outros países e empresas para impedi-los de trabalhar com o Irão. Nós respondemos com a adoção de algumas medidas em várias áreas. Em primeiro lugar, declarámos que enquanto os outros signatários continuarem a respeitar o acordo, e se os países da União Europeia tomarem medidas concretas em relação a isso, estamos interessados em manter o acordo em vigor e a protegê-lo.

euronews: "Gostaria de falar em particular de três países europeus, a Alemanha, a França e o Reino Unido. O que fizeram esses países para salvar o acordo?"

"Depois do que se passou na Segunda Guerra Mundial, a União Europeia está a enfrentar um desafio crucial. Será que a União Europeia pode tomar decisões independentes do governo dos Estados Unidos, em particular quando há um governo como o de Trump?"

Eshaq Jahangiri: "Esses três países fazem parte do grupo que países que aceitou implementar os compromissos e obrigações do acordo se o Irão fizer a sua parte. Esses países, tal como a Rússia e a China, e as outras cinco partes deverão assumir todos os compromissos. Até agora, a União Europeia em geral e esses três países em particular, Alemanha, França e Reino Unido, têm cumprido o que prometeram dentro dos prazos previstos no que toca às políticas e à adoção de posições diplomáticas e nós estamos satisfeitos. No entanto, ainda não vimos medidas práticas e concretas que possam servir os interesses do nosso povo e da nossa economia. Penso que, depois do que se passou na Segunda Guerra Mundial, a União Europeia está a enfrentar um desafio crucial. Será que a União Europeia pode tomar decisões independentes do governo dos Estados Unidos, em particular quando há um governo como o de Trump? Será que os europeus podem defender os seus interesses e os seus compromissos internacionais? Na verdade, não vimos uma ação efetiva União Europeia nesse sentido".

euronews: "Pensa que a Europa tem o poder, a vontade, ou melhor, a capacidade necessária para se opor a Trump?"

Eshaq Jahangiri: "Presumimos que a União Europeia tem essa capacidade. Teoricamente, do ponto de vista da abordagem escolhida, os europeus têm estado bem. No entanto, na prática, a estrutura financeira da União Europeia e, em particular, o sistema bancário europeu, mostraram que esta União não é capaz de se apresentar como uma entidade que toma decisões independentes e como uma entidade poderosa que pode continuar a avançar e a respeitar os compromissos. No entanto, ainda temos esperança que eles respeitem o acordo.

euronews: "Qual é a linha vermelha?"

Eshaq Jahangiri: "Quando tomamos decisões internacionais, temos em conta os custos e o nosso interesse nacional. Quando os benefícios ultrapassam os custos, assumimos as nossas decisões. Apesar de termos ficado desiludidos com a capacidade da União Europeia em tomar medidas concretas, ainda temos esperança de que a União Europeia possa fazer algo para que possamos tirar partido do acordo nuclear. Dentro do país, o governo iraniano tem estado sob uma enorme pressão dos 25% que não acreditam que a União Europeia vá respeitar os seus compromissos e que acham que não se deve confiar na Europa. Essa pressão tem vindo a subir desde que a União Europeia não respeitou os compromissos assumidos. No entanto, acreditamos que o acordo deve permanecer em vigor enquanto servir os interesses do povo iraniano".

euronews: "Será que o Irão poderá dar outros passos de forma voluntária para que a Europa cumpra as promessas? Refiro-me a ir mais longe do que o fixado no acordo?

Eshaq Jahangiri: "Não. Não vamos assumir compromissos para além do que está fixado no acordo. No âmbito do acordo, todas as partes que negociaram e assinaram o documento devem cumprir os compromissos assumidos".

euronews: "Há eleições para o parlamento europeu em maio e é possível que a senhora Mogherini e a sua equipa deixem os seus cargos depois das eleições e poderão ser substituídos por políticos de esquerda. Como vê as relações entre Teerão e Bruxelas com a saída de Mogherini?"

Eshaq Jahangiri: "Os governos vão e vêm. Até os compromissos assumidos por personalidades como Mogherini, não são compromissos individuais mas de nível europeu. São compromissos da entidade chamada União Europeia, da Alemanha, da França e do Reino Unido. A pessoa que está no poder não é o elemento mais determinante. Esperamos que a União Europa cumpra os seus compromissos independentemente das mudanças que possam ocorrer".

euronews: "A possibilidade de haver uma representação da União Europeia em Teerão está em cima da mesa. Há elementos novos?"

Eshaq Jahangiri: "O ministro dos Negócios Estrangeiros da República Islâmica do Irão está a acompanhar a questão. Espero que se possa chegar a um acordo com a União Europeia nessa matéria tão cedo quanto possível".

euronews: Recentemente, surgiu um movimento em França chamado coletes amarelos. Estou seguro de que já ouviu falar dele. Vê algum ponto de convergência ou alguma similitude entre as reivindicações desses movimento e os eventos recentes entre a comunidade de trabalhadores em Teerão?"

Eshaq Jahangiri: "São duas coisas que não têm qualquer semelhança. A Revolução Islâmica vingou há 40 anos e vamos em breve celebrar o aniversário da vitória. O principal objetivo da Revolução Islâmica foi responder às necessidades das partes mais pobres da sociedade, proteger e contribuir para o desenvolvimento das regiões pobres, e propiciar liberdade e justiça como pede o povo. Nos últimos 40 anos, assistimos a marchas e manifestações pacíficas em grandes cidades como Teerão. As palavras de ordem que se ouviam eram similares às da revolução e das exigências do povo e estão muito longe do que se passa hoje em França e noutros países europeus. O que houve pode ser descrito como reivindicações de sindicatos de trabalhadores. A oposição à República Islâmica, fora do Irão e os detratores do governo tentaram dar um cunho político a essas reivindicações. É claro que uma comunidade de trabalhadores pode ter reivindicações políticas. Mas de modo algum podemos interpretar essas reivindicações como um protesto público similar ao que desencadeou o movimento dos coletes amarelos em França".

"A presença dos Estados Unidos na Síria foi sempre ilegal. O governo sírio nunca fez convites aos Estados Unidos nem sequer para combater os extremistas islâmicos".

euronews: "Como avalia os últimos desenvolvimentos na Síria e a retirada das tropas norte-americanas do país? Parece que o Irão vai desempenhar um papel menos importante no futuro da Síria. Acha que a Rúsia e a Turquia estão a tentar diminuir o papel do Irão na Síria?"

Eshaq Jahangiri: "O único país com uma posição consistente e estável em relação à Síria tem sido sempre a República Islâmica do Irão. Alguns países, incluindo alguns dos nossos amigos que estão a negociar connosco, insistiam na necessidade de derrubar o governo sírio e o presidente Assad. Com o apoio que recebeu, o governo de Assad, com o povo e com o exército sírio terá conseguido vencer os grupos e os extremistas que planeavam derrubar o governo. A presença dos Estados Unidos na Síria foi sempre ilegal. O governo sírio nunca fez convites aos Estados Unidos nem sequer para combater os extremistas islâmicos. Está provado que o Estado Islâmico e outros grupos terroristas que operam no Iraque e na Síria foram criados e apoiados pelos Estados Unidos, por alguns países ocidentais e da região, como a Arábia Saudita e o regime sionista. Quando esses países viram que o governo sírio e os seus apoiantes resistiram à crise, chegaram à conclusão que a presença na Síria era vã e que tinham de abandonar o país. Penso que a retirada dos Estados Unidos da Síria significa que os americanos se aperceberam finalmente que a presença na Síria tinha sido muito cara e que não servia os seus interesses. Eles não vão poder restringir a presença do Irão na Síria. O Irão ajudará o governo sírio enquanto ele precisar da nossa ajuda".

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.