A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

EUA anuncia progressos nas negociações comerciais

EUA anuncia progressos nas negociações comerciais
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China pode estar perto do fim. De acordo com o representante norte-americano, o terceiro dia de conversações terminou com sinais positivos.

"As empresas norte-americanas estão a pagar cerca de um milhão de dólares a mais por mês"

Izzy Santa Diretora de Comunicação, Associação de Tecnologia de Consumo

As notícias foram recebidas com agrado pelos mercados que esperam agora evitar um escalar de tensões entre as duas maiores economias mundiais.

O setor das tecnologias é uma das áreas mais expostas à imposição de tarifas alfandegárias.

Na maior feira de tecnologia do mundo, a decorrer em Las Vegas, registou-se uma queda de cerca de 20% no número de inscrições de participantes chineses.

"As empresas de tecnologia norte-americanas estão a pagar cerca de um milhão de dólares a mais por mês para importarem produtos da China. Isso vai acabar por destruír aquilo que as empresas estão aqui a fazer assim como os investimentos e o recrutamento. O setor das tecnologias aguarda agora pelo dia 2 março, altura em que termina o prazo para os presidentes da América e da China resolverem este problema. Caso contrário, as tarifas vão subir até aos 25% e vão custar mais de mil milhões de dólares para a indústria tecnológica trazer estes produtos para os Estados Unidos", afirma Izzy Santa, diretora de comunicações da Associação de Tecnologia de Consumo.

Empresas como a Tesla já lançaram o alerta e afirmam que a guerra comercial entre Trump e a China pode reduzir a qualidade dos veículos assim como afetar os lucros.

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China tem lugar numa altura em que a Tesla já iniciou a construção de uma fábrica em Xangai.