Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Corbyn afirma que novas eleições são a prioridade

Corbyn afirma que novas eleições são a prioridade
Tamanho do texto Aa Aa

O líder trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, afirma que apenas novas eleições vão permitir ultrapassar o impasse atual relativamente ao Brexit.

"Um governo que não consegue fazer aprovar a sua legislação na Câmara dos Comuns não é governo"

Jeremy Corbyn Secretário-geral, Partido Trabalhista

O apelo do líder trabalhista teve lugar no mesmo dia em que se ficou a saber que a primeira-ministra Theresa May se reuniu com alguns deputados da oposição que apoiam a saída do Reino Unido da União Europeia a fim de tentar obter o seu apoio para o voto previsto para terça-feira da próxima semana.

Discursando esta quinta-feira no norte de Inglaterra, Jeremy Corbyn apelou à realização de eleições gerais o mais rapidamente possível a fim de colocar um ponto final no impasse criado em torno do Brexit.

Jeremy Corbyn afirma que o país vive uma situação que descreveu como "caos político" e que apenas um governo trabalhista pode alcançar um acordo com a União Europeia que reunifique o país.

"Se o governo não consegue fazer aprovar a legislação mais importante, então devem ter lugar novas eleições na primeira oportunidade. Um governo que não consegue fazer aprovar a sua legislação na Câmara dos Comuns não é governo. Perdeu o mandato e por isso deverá ter que enfrentar novas eleições", disse o líder trabalhista.

Corbyn enfrenta igualmente pressões internas. Um número significativo de deputados trabalhistas anti-Brexit quer um novo referendo; outros contudo preferem negociar diretamente com a primeira-ministra a fim de obterem concessões em questões como o meio ambiente e os direitos dos trabalhadores. Para Corbyn contudo a prioridade é a realização de novas eleições.

"Esta paralisação não pode continuar. A incerteza coloca em risco os empregos e vidas das pessoas, se não conseguirmos garantir novas eleições gerais, então temos que considerar todas as possibilidades incluindo uma opção para um novo referendo mas a realização de eleições gerais permanece a prioridade. Não é apenas a opção mais prática, é também a opção mais democrática", disse.

De recordar que o Reino Unido vai deixar a União Europeia no dia 29 de março. O acordo firmado entre o governo britânico e a União Europeia apenas entrará em vigor se for aprovado pelo parlamento.