Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Início de presidência da UE tenso para Bucareste

Início de presidência da UE tenso para Bucareste
Direitos de autor
Inquam Photos/Octav Ganea via REUTERS
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A cerimónia solene em Bucareste não esconde um início tenso da presidência rotativa da União Europeia para a Roménia.

No bloco comunitário, são várias as vozes que questionam a capacidade do país, marcado por lutas políticas internas e acusações de corrupção, para liderar durante seis meses a UE, num período particularmente crítico devido ao Brexit e às eleições europeias, agendadas para maio.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, estendeu a mão a Bucareste mas deixou também um aviso: "A União Europeia fez compromissos, mas em termos dos Direitos Humanos, do respeito do Estado de Direito e da luta contra a corrupção não há compromissos. Durante todos estes meses a Comissão, que é amiga da Roménia - mesmo se certas pessoas no país parecem duvidar disso -, estará sempre ao seu lado."

Klaus Iohannis, presidente da Roménia: "Unidos na diversidade não é apenas um lema, é a expressão do facto de que a nossa união é um projeto duradouro, capaz de se remodelar em permanência, sem renunciar aos seus valores e princípios fundadores."

No exterior, enfrentando o frio e a neve, centenas de manifestantes proclamavam em voz alta: "Queremos Europa, não ditadura".

Nos últimos dois anos, muitos na sociedade romena têm-se sentido frustrados face às tentativas do governo para aligeirar a legislação anticorrupção.

Um manifestante explicava: "Estamos aqui para protestar contra os que querem destruir a nossa democracia, que destruiram totalmente a economia romena, quando a justiça e a economia estão moribundas. Vamos continuar a combater esses criminosos."

Outra dizia: "Sentimo-nos europeus, pensamos como europeus, mas não somos tratados como tal, porque a Roménia continua a ser um sítio onde os líderes são corruptos e os valores europeus não são apreciados."

Nos próximos seis meses, a Roménia terá a difícil tarefa de provar que pode dirigir a União Europeia, ao mesmo tempo que lida com os problemas internos.