França: dois meses para o grande debate nacional

França: dois meses para o grande debate nacional
Tamanho do texto Aa Aa

Em França está lançado o grande debate nacional. Os franceses têm dois meses para se pronunciarem sobre fiscalidade, organização do Estado, ecologia e democracia. Fomos ver como estão a reagir a este convite do presidente, Emmanuel Macron.

"Dar a voz aos cidadãos está muito bem, mas será que isto servirá para alguma coisa? Disso já não estou tão certa", diz uma idosa.

"Eu não vou participar, mas porque é que não há-de ser uma coisa boa? Penso que, em vez de irem partir tudo, é melhor participarem e dizerem o que pensam", afirma outro idoso.

Um outro cidadãos da comuna de Beaujeu, refere: "Ele perdeu-se no princípio e agora tenta dar a volta, mas como irão as pessoas reagir a esse debate, é justamente a questão.

Trata-se de um exercício no qual o papel dos autarcas é fundamental. São eles o primeiro destino das queixas das populações. São eles que vão recolher as propostas.

Falámos com o presidente da câmara de Beaujeau, Sylvain Sotton: Os autarcas estão na primeira linha porque são eles que as pessoas procuram e a quem colocam as questões. Penso que o nosso papel é de, pelo menos, facilitar as coisas sem intervir, porque nós não estamos aqui para influenciar o movimento ou fazer reivindicações. Estamos para fazer subir as propostas ao governo".

Entretanto, no mercado, a sondagem à população continua.

"E sobre o grande debate, o que é que pensa? Vai participar se fizermos algo? Interpela o autarca. A resposta vem tímida: "Porque não"?

Tal como refere a repórter da Euronews, Stéphanie Morbois, "a grande questão agora é de saber se os cidadãos franceses das comunas rurais vão participar massivamente neste grande debate nacional e aproveitar a ocasião que lhes está a ser dada pelo presidente da república de se fazerem ouvir. Para isso têm dois meses, já que esta consulta termina no dia 15 de março".