Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Suspeito do roubo de "e-mails" do Benfica resiste à extradição

Capa da revista Sábado da edição com um extenso artigo sobre Rui Pinto
Capa da revista Sábado da edição com um extenso artigo sobre Rui Pinto
Tamanho do texto Aa Aa

Foi capturado em casa, na Hungria, após duas semanas de vigilância policial e está já com o processo de extradição para Portugal em curso, o pirata informático português com ligação confessa ao caso "Football Leaks."

Rui Pinto, de 30 anos, era alvo de um mandado europeu de captura e em Portugal é o principal suspeito do roubo de correspondência privada do Benfica, de onde surgiram indícios de alegadas irregularidades por parte do clube, e da empresa Doyen, que tinha direitos sobre diversos futebolistas e contratos suspeitos com alguns clubes.

Terá sido uma queixa-crime da Doyen que motivou o mandado de detenção europeu contra Rui Pinto.

À euronews, a polícia de Budapeste confirmou o andamento do processo transnacional.

"Os meus colegas levaram o suspeito sob custódia para a sétima esquadra distrital da polícia, detiveram-no e o processo de extradição está a correr", afirmou Melinda Hegyesi, porta-voz da polícia de Budapeste.

Alvo de várias suspeitas devido aos emails entretanto revelados sobretudo pelo diretor de comunicação do FC Porto, o Benfica tem tentado implicar os mais diretos rivais desportivos, incluindo o Sporting, como os financiadores do roubo da correspondência que implica o emblema da Luz, cujo ex-assessor jurídico Paulo Gonçalves vai entretanto ser julgado por 29 crimes no âmbito do processo "e-Toupeira."

FC Porto e Sporting já reagiram à tentativa do Benfica. Os portistas garantem ter tido acesso aos "e-mails" comprometedores sem ter pago por eles e os "leões" apenas estranham que os benfiquistas, com tantas posições públicas sobre o alegado roubo de correspondência de que dizem ter sido vítimas, ainda não explicaram as irregularidades de que foram acusados e que não desmentiram.

A polícia judiciária (PJ) fala de reincidência do "hacker", que vinha a ser investigado no âmbito da operação Cyberduna.

"Há uma continuação da prática criminosa que se tem vindo a revelar perniciosa para algumas instituições, até para instituições do Estado", afirmou Caros Cabreiro, o diretor da Unidade Nacional de combate ao Cibercrime da PJ.

Os advogados de Rui Pinto já reagiram à detenção, colocam o cliente no âmbito dos denunciantes lançadores de alertas a quem é concedida proteção especial e prometem tentar bloquear a extradição para Portugal.

"O Sr. Rui Pedro Gonçalves Pinto tornou-se num importante denunciante europeu no âmbito dos chamados 'Football Leaks', relembrando-se que muitas revelações feitas ao abrigo destas partilhas de informação estiveram na origem da publicação, durante vários anos, de notícias que deram lugar à abertura de muitas investigações em França e noutros países europeus", lê-se num comunicado emitido dos advogados William Bourdon e Francisco Teixeira da Mota.

Os juristas alegam que, ao longo deste processo, Rui Pinto “foi seriamente ameaçado, sendo o seu silêncio o objetivo de muitos intervenientes no mundo do futebol”.

Na sua opinião, “as autoridades portuguesas (...) ter-se-ão precipitado na detenção do seu cliente”, influenciadas pelas alegações do fundo de investimento Doyen Sports, que apresentou uma queixa-crime em Portugal contra Rui Pinto.

Os advogados dizem ainda que o seu cliente cumpre os critérios de proteção dos lançadores de alertas [whistblowers], resultantes das últimas disposições da legislação europeia e de muitos países europeus.

A eurodeputada socialista Ana Gomes entrou na controvérsia com um uma publicação nas redes sociais onde parece apoiar o pirata informático português detido na Hungria e em risco de extradição para ser detido em Portugal.

"Pirata ou denunciante?", pergunta Ana Gomes pelo Twitter, defendendo que Rui Pinto "expôs corrupção bem entrincheirada" e considerando que este assunto deve ser seguido "com atenção."