Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Brexit: Novas propostas para plano de contingência

Brexit: Novas propostas para plano de contingência
Tamanho do texto Aa Aa

O debate sobre o Brexit decorreu no Parlamento Europeu, mas o braço executivo da União Europeia também contribuiu com mais garantias para evitar o caos no caso de não haver acordo, como explica Isabel Marques da Silva, correspondente da euronews em Bruxelas.

"A Comissão Europeia apresentou mais três propostas para o plano de contingência. Por um lado, quer que os estudantes com bolsas Erasmus possam terminar os estudos nos próximos 12 meses, tantos os 14 mil europeus que estão no Reino Unido como os sete mil britânicos que estão nos restantes 27 países.

Em segundo, propõe que o tempo de trabalho dos europeus a viver no Reino Unido continue a ser contado na íntegra para o cálculo de prestações sociais a receberem quando voltarem ao país de origem, como por exemplo as pensões de reforma.

Em terceiro, pretende que os pagamentos com fundos europeus, por exemplo aos agricultores ou aos cientistas, continuem a ser feitos ate ao fim de 2019, desde que o Reino Unido contribua para o orçamento comunitário deste ano.

Já o governo de Portugal mantém-se alinhado com a posição oficial de Bruxelas. Augusto Santos Silva participa, quinta e sexta-feira, na reunião informal de Ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, em Bucareste. Apesar de Venezuela, Síria e China serem temas oficiais na agenda, dificilmente não será abordado o tema do Brexit.

Entretanto, o ministro português disse que só havendo "um pedido oficial do Reino Unido para adiar a saída da União Europeia", prevista para março, "é que se poderá equacionar uma renegociação".

Numa entrevista à Rádio Renascença, quarta-feira de manhã, Santos Silva disse que a União Europeia tem tido "muita paciência com as chamadas linhas vermelhas do Reino Unido". Logo, a bola continua no lado britânico".