EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Venezuela, um país que se vai esvaziando

Venezuela, um país que se vai esvaziando
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Fomos conhecer histórias de venezuelanos que decidiram emigrar e de famílias que ficaram.

PUBLICIDADE

Três milhões de pessoas, segundo a ONU, já deixaram a Venezuela por culpa da crise e Andrea Fonseca vai juntar-se a eles. Esta jovem decidiu deixar o trabalho de empregada de mesa e emigrar para a Argentina. A gota que fez transbordar o copo foi quando se viu obrigada a pedir dinheiro emprestado para comprar medicamentos para a mãe: "Estou muito triste. Não é fácil ir para um país para onde não queremos ir. Deixar a família, a mãe, os amigos, o namorado. Não é fácil", conta a jovem.

A migração faz com que, em certos setores, haja uma escassez de mão-de-obra. É o que acontece, por exemplo, com a educação. Um quinto dos professores deixou o país e os que ficaram são obrigados a trabalhar em vários sítios ao mesmo tempo.

José Javier Salas é diretor da Escola de Educação da Universidade Católica Andrés Bello e explica: "Há professores que trabalham em três ou quatro sítios, sempre a correr e a saltar de uns para os outros, com um horário que não lhes deixa tempo suficiente para ouvir os alunos, que estão ali e querem ser ouvidos com tempo, com dedicação, com carinho, com esforço".

Nelly Pompa, agora, só fala com o filho por videochamada, Miguel foi para a Argentina há três anos. As remessas mandadas por emigrantes como ele são o sustento de milhões de famílias. A saudade é o preço a pagar: "Quando havia encontros de família, era sempre ele o mais alegre, porque é o mais novo. Sinto muito a falta dele. Quando falo disso, começo a chorar. É muito doloroso", conta-nos.

Nicolás Maduro já disse que os migrantes fazem parte da campanha para impor uma crise humanitária que justifique uma intervenção estrangeira.

"A Colômbia é o principal país de acolhimento para os emigrantes da Venezuela. Há cerca de um milhão a viver no país vizinho. O Equador, o Peru, o Chile, o Brasil e a Argentina receberam dezenas de milhares de Venezuelanos. Muitos atravessaram o Atlântico. A Espanha é o país europeu que acolhe mais venezuelanos, mais de 270 mil", explica Héctor Estepa, enviado especial da Euronews à Venezuela.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Forças armadas leais a Maduro bloqueiam entrega de ajuda humanitária

Papa Francisco disponível para mediar crise na Venezuela

Venezuela desqualifica candidata presidencial da oposição María Corina Machado