Última hora

Última hora

Macedónia do Norte mostra-se preparada para a NATO

Macedónia do Norte mostra-se preparada para a NATO
Tamanho do texto Aa Aa

Um país pequeno em tamanho mas grande em ambições. A Macedónia do Norte assinou o protocolo de adesão à NATO e prepara-se para um novo capítulo na história da nação.

No rescaldo da assinatura a ministra da Defesa, Radmila Šekerinska, visitou elementos do Exército e insistiu na importância do país para a estabilidade no sudeste da Europa: "Não é possível existir uma Europa estável sem uma região dos Balcãs estável e orientada para a prosperidade. Acreditamos que a nossa adesão à NATO vai mostrar que os países dos Balcãs estão a avançar, que a região do sudeste da Europa se está a tornar pacifica e mais próspera."

O Exército da Macedónia do Norte conta com seis mil elementos. No quadro do programa de cooperação da NATO "Parceria para a Paz", que o país assinou em 1995, os efetivos foram treinados por outros Estados-membros. Para a ministra da Defesa têm por isso um enorme contributo a dar à Aliança Atlântica: "A Macedónia do Norte tem sido um parceiro da NATO ao longo de muitos anos. Mesmo sem sermos membros da Aliança, contribuímos com mais de quatro mil pessoas em diferentes missões lideradas pela organização. Representa basicamente mais de 50% das forças armadas do nosso país. Por isso, mesmo os países pequenos podem, no fim de contas, trazer valor acrescentado."

Os elementos do Exército dizem-se prontos para responder aos novos desafios até porque na bagagem têm a experiência de missões da NATO no Afeganistão.

"Os membros do Exército da República da Macedónia do Norte mostraram, com profissionalismo, integridade e responsabilidade, que podem atuar em igualdade de circunstâncias com os outros membros da NATO e com os membros das forças armadas dos outros Exércitos", disse, em entrevista à Euronews o major Vlatko Shteriovski.

Borjan Jovanovski, Euronews - "A Macedónia, em breve Macedónia do Norte, será o trigésimo Estado-membro da NATO. A adesão deste país multiétnico do sul dos Balcãs à Aliança militar é vista como um importante contributo para a estabilização da segurança ainda sensível na região."