EventsEventosPodcast
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Guiné-Bissau: PAIGC e PRS lado a lado sem incidentes em campanha

Guiné-Bissau: PAIGC e PRS lado a lado sem incidentes em campanha
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Desde sábado que 21 partidos políticos começaram a campanha eleitoral para as legislativas de 10 de março. Apelos ao civismo e o respeito pela lei eleitoral marcaram o tiro de partida para um processo que espera acabar com 4 anos de crise política durante a qual foram nomeados 7 primeiros-ministros.

PUBLICIDADE

Os dois principais partidos da Guiné-Bissau, PAIGC e PRS, abriram a campanha eleitoral em Gabú, no leste, sem incidentes, como chegaram a recear a população e a polícia guineenses dada a animosidade que existe entre ambos.

Separados apenas por escassos metros de distância, o Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) e o Partido da Renovação Social (PRS) realizaram os comícios perante milhares de apoiantes aos quais cada um garantiu que a vitória nas legislativas de 10 de março está assegurada.

O líder do PAIGC, Domingos Simões Pereira, disse ter ficado satisfeito com a adesão popular e aproveitou para anunciar uma série de propostas para "melhoria das condições de vida" da população de Gabu e de todos os guineenses.

Simões Pereira disse que o PAIGC "não tem complexos de pedir desculpas pelos erros do passado", mas que agora tem um programa para mudar a Guiné-Bissau e lançá-la no caminho do desenvolvimento.

O presidente do PAIGC prometeu que os 21 dias da campanha eleitoral, "não serão de comes e bebes", mas para explicar ao povo sobre porque deve confiar o seu voto ao PAIGC, frisou.

Alberto Nambeia, líder do PRS disse que o seu partido está pronto para "tomar a chave da ‘primatura’ (gabinete de trabalho do primeiro-ministro), depois da receção que teve em Gabu”, onde, disse, sentiu que o povo já decidiu a quem entregar a governação do país.

Nambeia, que repetiu por várias vezes pretender apenas que a paz reine na Guiné-Bissau, pediu que a vontade popular seja respeitada no dia 10 de março.

Em Bafatá, também no leste da Guiné-Bissau, o coordenador do MADEM- G15 (Movimento de Alternancia Democratica) Braima Camará mostrou-se satisfeito pela "resposta dos guineenses, perante um partido fundado há sete meses".

O MADEM G-15 foi criado por dissidentes do PAIGC.

Braima Camará anunciou que se o MADEM ganhar as eleições de 10 março, Bafatá, a segunda capital da Guiné-Bissau, será transformado num polo universitário.

O primeiro dia da campanha eleitoral, que termina a 08 de março, ficou marcado pela inédita iniciativa de uma rádio de Bissau, a Capital FM, que decidiu fazer emissões ao ar livre nos bairros, juntando candidatos a deputados com os eleitores para perguntas sobre os seus programas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

ONU garante Guiné-Bissau estável e com eleições a 18 de novembro

Primeiro-ministro guineense defende reformas estruturais

Sétimo primeiro-ministro desde 2014 para gerir eleições a 18 de novembro