Última hora

Última hora

Tensão na fronteira entre a Venezuela e a Colômbia diminui

Tensão na fronteira entre a Venezuela e a Colômbia diminui
Tamanho do texto Aa Aa

Depois de um sábado de confrontos, chega um domingo mais calmo, na fronteira entre a Venezuela e a Colômbia.

Apesar de mais calmo, a barreira militar do exército venezuelano mantém-se a separar os dois países e quem espera do lado venezuelano, espera pela ajuda humanitária internacional que está bloqueada do lado colombiano.

As toneladas de medicamentos e comida não devem chegar tão cedo a terras venezuelanas, até porque Maduro, presidente do país, já cortou relações com o país vizinho e até deu 24 horas aos embaixadores colombianos para abandonar a Venezuela.

Os confrontos foram piores no sábado, em Cúcuta. Quem não tem o que comer, usa tudo o que pode para derrubar os militares de Maduro, a força do próprio corpo e pedras. Uma luta desigual, como conta aos jornalistas um venezuelano da oposição, enquanto mostra as marcas de sangue que tem em todo o corpo.

Reuters
Cúcuta este sábadoReuters

José Sierra diz que, do lado de Colômbia, o exército de Maduro está a disparar balas de borracha na fronteira, e acredita que "só são de borracha porque é do lado colombiano", e que "se fosse do lado da venezuela...", diz.

Estas cenas de violência entre manifestantes e as autoridades já fizeram centenas de feridos e muitos dos que estavam do lado de Maduro passam para o lado de Guaido, como é o caso de vários militares do exército, que abandonaram a farda por não conseguirem suportar a fome. Acabam por desistir e passar para o lado de quem luta por uma Venezuela sem Maduro.

Juan Guaido já veio prometer que todos os oficiais que o façam deverão ser amnistiados.