Última hora

Última hora

"Breves de Bruxelas": Migração, Polónia, Euro, Arábia Saudita

"Breves de Bruxelas": Migração, Polónia, Euro, Arábia Saudita
Tamanho do texto Aa Aa

Conhecida por uma postura histórica de abertura a refugiados, o governo liberal da Holanda decidiu reduzir em 30% as vagas para asilo político.

Mas uma família arménia foi salva da deportação após 96 dias de vigília numa igreja da cidade de Haia, levada a cabo por ativistas, políticos e vizinhos da família.

Este é o tema de abertura do programa "Breves de Bruxelas", que passa em revista a atualidade europeia diária. Em destaque estão, também, as seguintes notícias:

  • Cinco partidos de oposição na Polónia formaram uma coligação para as eleições europeias em maio, para travar o que consideram ser uma deriva anti-europeia do governo conservador. Na coligação estão a Plataforma Cívica, o Partido dos Camponeses, o Partido Liberal, o Partido Social-Democratas e os Verdes.
  • A Alemanha e a Holanda são os países que mais beneficiaram da criação da moeda única, de acordo com um estudo do Centro para as Políticas Europeias, na Alemanha. A riqueza aumentou, em média, 20 mil euros per capita, em relação a 1999, quando o euro foi lançado.
  • O Partido Social-Democrata alemão pressiona a chanceler a prorrogar a proibição de exportação de armas para a Arábia Saudita. Angela Merkel tenta equilibrar este pedido do partido parceiro na coligação (com a CDU) com as pressões diplomáticas da França e do Reino Unido para não prolongar a sanção, imposta como reação ao assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi.