Última hora

Última hora

Comerciantes britânicos preparam-se para o Brexit

Comerciantes britânicos preparam-se para o Brexit
Tamanho do texto Aa Aa

No New Covent Garden Market, o maior mercado de fruta e legumes no Reino Unido, os preparativos para o Brexit seguem a todo o vapor.

Um dos maiores distribuidores, EuroFrutta, abastece restaurantes, hoteis e escolas com produtos frescos mas agora está a braços com um problema sem precedentes, a falta de pessoal.

"Antes do referendo não tinhamos problemas para encontrar pessoas para trabalhar no turno noturno... desde o referendo isso tornou-se um pesadelo", diz Daniel Fulgoni que trabalha para a distribuidora Eurofrutta.

O clima de incerteza quanto ao futuro e às barreiras alfandegárias pode ter consequências desastrosas para muitas outras empresas que dependem de produtos frescos.

"Produtos normais como brócolos, aipos e morangos são provenientes de Espanha", afirma.

Para Daniel, que votou para o Reino Unido permanecer na União Europeia, trata-se de uma situação preocupante.

"Estamos cada vez mais próximos do precipício e não sabemos o que vai acontecer a seguir", conclui.

O repórter da euronews Luke Hanrahan adianta.

"Um terço da fruta e legumes do Reino Unido vem da Europa. É um negócio que vale 10 mil milhões de euros por ano. No entanto, nem todos os comerciantes aqui do mercado de New Covent Garden estão pessimistas em relação ao futuro".

"Existe potencial para problemas mas nós preparamo-nos da melhor forma possível", afirma Justin Denyer, do departamento de importações e vendas diretas.

Gary Marshall é o diretor do mercado e votou para sair da União Europeia.

"Para nós o melhor é não haver acordo. Vamos encontrar uma solução tal como sempre fizémos".

Gary acredita que caso haja acordo ou não, se e quando o Brexit acontecer, acabará por ter razão.

"As pessoas que votaram para sair são agora acusadas de serem ignorantes e pacóvias. Eu alcancei o sucesso, tenho uma boa reputação por toda a Europa e sou diretor do maior mercado no Reino Unido. É isto a que chamam pacóvio? Não tenho palavras".

Se o Reino Unido sair da União Europeia sem um acordo, vai regressar às tarifas da Organização Mundial do Comércio. Isso significa taxas adicionais sobre produtos do quotidiano. Há quem diga que os preços nas lojas vão subir.

A pouco mais de um mês para o Reino Unido sair da União Europeia, as interpretaçôes relativas às consequências variam de forma significativa.