Força Aérea resgata comandante de navio grego nos Açores

Força Aérea resgata comandante de navio grego nos Açores
De  João Paulo Godinho
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A operação de salvamento enfrentou condições climatéricas muito adversas, mas foi considerada um êxito.

PUBLICIDADE

Contra vagas de 12 metros e ventos de mais de 70 kms/hora, a Força Aérea Portuguesa resgatou com sucesso o comandante do navio grego Minerva Gloria, que navegava ao largo da ilha Terceira, nos Açores.

O homem, de 47 anos e nacionalidade grega, apresentava um estado clínico considerado muito grave e precisava de assistência médica urgente.

A Força Aérea resgatou ontem à tarde o comandante do navio grego “MINERVA GLORIA”, que navegava a 420 quilómetros a sudoeste da Ilha Terceira. O homem, com nacionalidade grega e 47 anos, apresentava um estado clínico muito grave e precisava de assistência médica urgente, tendo sido resgatado do navio pela tripulação de alerta nos Açores da Esquadra 751, que opera o helicóptero EH-101 Merlin. Para esta operação e devido às condições meteorológicas muito adversas no local, onde se registavam vagas de 12 metros e ventos de 74 km/h, foi também empenhada uma aeronave P-3C CUP +, operada pela Esquadra 601 - "Lobos". Saiba mais em: bit.ly/2Uaourq

Publiée par Força Aérea Portuguesa sur Dimanche 24 février 2019

Perante a complexidade da operação, a Força Aérea mobilizou duas aeronaves: o helicóptero EH-101 Merlin, que partiu da Base das Lajes, e o avião de patrulhamento marítimo P-3C Cup+, saído da base aérea nº11, em Beja.

A operação foi considerada um êxito pela Força Aérea, que levou o comandante da embarcação grega para o aeroporto João Paulo II de Ponta Delgada, de onde foi encaminhado para o Hospital do Divino Espírito Santo, na mesma cidade.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cargueiro continua em chamas ao largo dos Açores e mantém ameaça de poluição

Porque é que o incêndio de Valência devorou 138 casas numa hora?

Conselho de Segurança da ONU aprova resolução para pôr fim a ataques no Mar Vermelho