EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Estónia: Incerteza marca eleições legislativas

Estónia: Incerteza marca eleições legislativas
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As últimas sondagens atribuem ao Partido do Centro, do primeiro-ministro Juri Ratas, 25% das intenções de voto, um pouco atrás do Partido Reformista, de tendência liberal e pró-europeia, de Kaja Kallas, que granjeia cerca de 27% das intenções de voto.

PUBLICIDADE

A Estónia vai este domingo a votos. Cerca de 890 mil eleitores são chamados às urnas para eleger os 101 deputados que compõem do Parlamento.

As últimas sondagens atribuem ao Partido do Centro, do primeiro-ministro Juri Ratas, 25% das intenções de voto, um pouco atrás do Partido Reformista, de tendência liberal e pró-europeia, de Kaja Kallas, que granjeia cerca de 27% das intenções de voto.

O partido de extrema-direita EKRE, liderado por Mart e Martin Helme, pai e filho, perfila-se para ser a terceira força política, reunindo 17% das intenções de voto.

A ascensão do EKRE preocupa alguns eleitores: "Será muito triste se nos deixarmos convencer pelos populistas, como aconteceu em outros países da Europa e até nos Estados Unidos da América. Espero que com as eleições haja algo mais positivo em relação a este país."

"Quero que a economia do país melhore e que as reformas e os salários sejam aumentados pois é impossível sobreviver com esse salário mínimo", defende um estónio.

A incerteza sobre soluções governativas é uma realidade. Prevê-se que a próxima Assembleia Nacional conte com cinco ou seis forças partidárias, tornando difícil a constituição de uma coligação que reúna a maioria para constituir um Governo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estónia intensifica esforços para combater ataques híbridos russos

Civis da Estónia treinam guerra de trincheiras com soldados franceses da NATO

Rússia coloca primeira-ministra da Estónia na lista dos "procurados"