Última hora

Última hora

Nova falha de energia agrava braço de ferro político na Venezuela

Nova falha de energia agrava braço de ferro político na Venezuela
Tamanho do texto Aa Aa

O apagão que deixou a Venezuela sem energia entrou já no terceiro dia, para desespero dos venezuelanos. No sábado as informações apontavam para um restabelecimento da eletricidade na maioria do território, mas nova falha deixou o país às escuras.

A falha de energia começou na quinta-feira às 17:00 locais (21:00 em Lisboa) e afeta quase todo o país, embora a corrente tenha retornado parcialmente em alguns bairros de Caracas antes de ser cortada novamente.

Por entre manifestações pró e contra o regime do presidente Nicolás Maduro, surgiram também protestos espontâneos de pessoas a reclamar de forma pacífica o fim da crise elétrica.

A falha prolongada de energia é mais um golpe na vida de um povo que enfrenta uma grave crise económica, social e política.

Nicolás Maduro voltou também às ruas de Caracas para responder à pressão das manifestações anti-regime. Perante milhares de apoiantes, o presidente acusou a oposição e os Estados Unidos de estarem por detrás do maior apagão da história da Venezuela.

"Quando há ataques deste tipo feitos pela oposição do país, a extrema direita... Eles são, sem dúvida, os autores intelectuais e materiais deste ataque que usou tecnologia de ponta que só o governo dos Estados Unidos tem no mundo", afirmou.

A capital do país ouviu novamente a voz de Juan Guaidó. Sem permissão das autoridades para fazer um comício, foi de megafone e em cima de um carro que Guaidó se dirigiu a milhares de apoiantes.

O líder do parlamento e autoproclamado presidente interino regressou depois de um périplo por alguns países da América Latina e prometeu uma jornada pelos 23 estados da Venezuela até à conquista final de Caracas.

"Anuncio a minha viagem e a dos deputados por toda a Venezuela para trazer definitivamente todos a Caracas", disse, voltando a abrir a porta a uma intervenção estrangeira.

"Artigo 187, quando chegar o momento", afirmou o presidente da Assembleia Nacional, referindo-se à alínea da Constituição que prevê "missões militares venezuelanas no exterior ou estrangeiras no país".

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o opositor e presidente da Assembleia Nacional (parlamento), Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um Governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, no poder desde 2013, denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.