A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Guaidó decreta estado de emergência na Venezuela

Guaidó decreta estado de emergência na Venezuela
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O líder do parlamento e autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, convenceu a Assembleia Nacional a aprovar por unanimidade a declaração de estado de emergência devido ao apagão.

Com o país parcialmente sem energia há quase uma semana, Guaidó apelou ainda aos venezuelanos a juntarem-se para uma manifestação nacional nesta terça-feira contra a crise energética.

"Compreendo perfeitamente o desespero que todos temos hoje, e é por isso que hoje estamos a pedir à Assembleia para aprovar este estado de alarme nacional para a Venezuela... um estado de emergência, de tragédia, de catástrofe em que a Venezuela vive", afirmou.

A origem da falha estará na central hidroelétrica de Guri, principal responsável pelo abastecimento elétrico do país.

Se o presidente Nicolás Maduro acusa os Estados Unidos da América (EUA) de estarem por detrás de um alegado ataque, a oposição aponta o dedo ao regime pela corrupção e falta de investimento na manutenção das estruturas.

E enquanto persiste o braço de ferro político, os cidadãos tentam contornar a falta dos serviços mais básicos. Além da eletricidade, praticamente não há comunicações e começa a haver constrangimentos sérios no abastecimento de água.

A resposta de Maduro foi a suspensão de atividades laborais e escolares por mais 48 horas.

Nas últimas horas, os EUA anunciaram também a retirada de todos os funcionários da embaixada na Venezuela, mais uma consequência do agravamento da tensão social e política no país.