A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Barnier diz que "temos de tirar lições do Brexit"

Barnier diz que "temos de tirar lições do Brexit"
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

À medida que as eleições europeias se aproximam e o Reino Unido se prepara para deixar a União Europeia, o negociador-chefe da União Europeia para o Brexit, Michel Barnier, falou com Daniel Cohn-Bendit no programa UNCUT, e disse que "temos de tirar lições do Brexit.

Daniel Cohn-Bendit, Euronews - Quais são as consequências da saída do Reino Unido da União Europeia, quais são as consequências para o futuro da Europa?"

Michel Barnier, negociador-chefe da União Europeia para o Brexit - O Reino Unido sair, é quase uma questão do passado, mesmo que ainda seja da atualidade, eles têm de sair corretamente. O que acho importante, e eu tenho tentado acompanhar o debate britânico, é porquê o Brexit? Há as consequências do Brexit, que gerimos neste Tratado, mas por que razão 52% dos britânicos votaram contra a Europa. É preciso ouvir, é preciso responder. Há uma grande parte desses eleitores que votaram por razões que encontramos em certas regiões da França, Bélgica ou Itália, ou em outros países. É o sentimento de abandono, o sentimento de exclusão, a sensação que a Europa não está a proteger, que a Europa seria gerida por uma burocracia que não escuta. Penso que temos de tirar lições do Brexit. É demasiado tarde para o Reino Unido, mas é o momento de o fazer.

Euronews - Mas é verdade que a Europa não protege?

Michel Barnier, negociador-chefe da União Europeia para o Brexit - Acho que a Europa tem sido, nos últimos 30 anos, muitas vezes ingénua nas suas trocas comerciais, que cometeu um erro fundamental no momento da explosão da globalização, da mundialização, na época da explosão do mundo bipolar, que estava muito estruturado entre a União Soviética de um lado e os Estados Unidos do outro. Vimos uma explosão da globalização, com muito progresso, pessoas que saíram da extrema pobreza, mas, ao mesmo tempo, tínhamos a ideia de que tudo era agora possível, era o "laissez-faire, laissez-aller", o ultraliberalismo. É este o erro de fundo cometido por muitos países no mundo, que nós pagamos e não terminámos de pagar desde a crise financeira. Tivemos desregulamentação, falta de governança mundial. Acho que é tempo de voltar, como já fizemos há alguns anos, aos fundamentos da economia social de mercado. E as palavras são importantes: Economia, Social, Mercado, não apenas duas.

Excerto da entrevista que Michel Barnier deu a Daniel Cohn Bendit em UNCUT.