EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Dois maiores bancos da Alemanha preparam fusão

Dois maiores bancos da Alemanha preparam fusão
Direitos de autor REUTERS/Kai Pfaffenbach
Direitos de autor REUTERS/Kai Pfaffenbach
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Deutsche Bank e o Commerzbank confirmaram que estão em negociações.

PUBLICIDADE

Os dois maiores bancos da Alemanha estão em vias de fusão. O Deutsche Bank e o Commerzbank confirmaram que estão em negociações para formar um novo super-banco, embora ainda estejam longe de chegar a acordo quanto aos termos. As administrações dos dois bancos anunciaram, em comunicados separados, que continuam as conversações. 

Para o Deutsche Bank, é importante que não haja precipitações: "Isto significa que as negociações de fusão podem pender para qualquer um dos lados. Precisamos de tempo, porque para nós é mais importante ser preciso do que ser rápido. Somos e vamos permanecer um banco global, com uma posição de liderança nos mercados alemão e europeu. Essa posição de liderança pode consolidar-se com uma fusão com o Commerzbank", diz Jörg Eigendorf, porta-voz do Deutsche Bank

A fusão tinha sido falada pela primeira vez em 2016, mas ambos os bancos optaram depois por uma reestruturação e deixaram o negócio de parte. Esta eventual fusão tem o apoio do governo de Berlim. O Deutsche Bank enfrenta dificuldades desde a crise de 2008, enquanto o Commerzbank é detido, em 15% pelo Estado desde um plano de salvamento. 

Uma das razões para o governo apoiar o negócio é manter o Commerzbank em mãos alemãs e assegurar que mantém a atividade principal, o apoio às empresas de dimensão média que formam a espinha dorsal da economia alemã.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Consolidação à vista no setor bancário italiano

Ativistas russos lançaram ataque cibernético ao setor bancário da Chéquia

"Êxodo" de banqueiros de Londres após Brexit