Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Nova Zelândia homenageia vítimas de Christchurch

Nova Zelândia homenageia vítimas de Christchurch
Direitos de autor
REUTERS/Edgar Su
Tamanho do texto Aa Aa

Após o ataque terrorista a mesquitas de Christchurch, Nova Zelândia homenageia as vítimas e afirma-se mais forte e determinada na integração de minorias.

Na Nova Zelândia sucedem-se as homenagens às vítimas dos ataques em mesquitas de Christchurch.

São dias de grande pesar pelas 50 pessoas assassinadas por um atirador solitário no pior tiroteio em massa da Nova Zelândia.

O australiano Brenton Tarrant, um suspeito supremacista branco, foi acusado de assassinato.

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, liderou a manifestação de pesar no Parlamento e disse que o dia do tiroteio ficará gravado, para sempre, na memória do país.

00.30 SOT Primeira-Ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern

"Aquela tarde tranquila de sexta-feira tornou-se no nosso dia mais sombrio. Mas para as famílias, foi mais do que isso, foi o dia em que o simples ato de rezar, de praticar a fé e religião muçulmana, levou à perda dos entes queridos," declarou Jacinda Ardern.

A governadora-geral da Nova Zelândia, Patsy Reddy, também concordou que o tiroteio teve um grande impacto país.

"Mudou o país porque nos tornará mais fortes e mais determinados para estarmos unidos no futuro e passarmos mais tempo a assegurar a integração das minorias, sejam elas minorias religiosas ou minorias étnicas," afirmou Patsy Reddy.

Uma consequência do tiroteio é a determinação de proibir o tipo de armas semiautomáticas usadas pelo atirador. O executivo prometeu que na próxima semana vai anunciar mudanças na legislação sobre armas.