Editoras de revista feminina do Vaticano demitem-se sob protesto

Editoras de revista feminina do Vaticano demitem-se sob protesto
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Lucetta Scaraffia, ex-responsável editorial do projeto, escreveu uma carta aberta ao Papa Francisco, lamentando o rumo da Women Church World.

PUBLICIDADE

As editoras da revista feminina do Vaticano, escrita apenas por mulheres, apresentaram a demissão em protesto contra o que dizem ser uma campanha de descredibilização.

A Women Church World é um suplemento mensal do L'Osservatore Romano, o jornal do Vaticano.

Segundo a fundadora e ex-responsável pelo projeto, Lucetta Scaraffia, a pressão sobre a equipa intensificou-se com as denúncias de abusos a freiras por outros membros do clero.

"Quando a nova direção editorial chegou... vamos apenas dizer que tivemos problemas em fazer o nosso trabalho com a mesma liberdade e criatividade que tínhamos antes com o anterior diretor. Era como se existissem duas almas diferentes no jornal e uma era oposta a nós. E como não queríamos mulheres contra mulheres, tentámos evitar o que estava a acontecer e por isso decidimos terminar esta experiência ao fim de sete anos", afirmou Scaraffia.

As críticas de Scaraffia foram também publicadas numa carta aberta para o Papa Francisco, publicada no blog Il Sismografo.

Num artigo de fevereiro, a revista denunciou a cultura masculina na Igreja de abuso sobre as mulheres. Uma polémica que se junta ao escândalo de abusos sexuais a menores abordado pelo Vaticano numa cimeira já este ano.

Apesar das críticas, o diretor da revista, Andrea Monda, garantiu que a obediência não era um critério de seleção e que a equipa teve sempre total autonomia.

Outras fontes • BBC

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

CE inicia processo contra Itália por violação às regras da caça

Agricultores italianos criticam domínio da Comissão Europeia

Agricultores italianos fazem mais de 10 horas de trator para se manifestarem em Roma