Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

May e Trabalhistas ainda à procura de solução

May e Trabalhistas ainda à procura de solução
Direitos de autor
REUTERS/Henry Nicholls
Tamanho do texto Aa Aa

"Tivémos discussões com o governo e essas discussões vão continuar": desta forma o principal responsável das negociações do Brexit no Labour, Keir Starmer, anunciava ontem que o Partido Trabalhista volta esta sexta-feira, pelo terceiro dia consecutivo, a debater com o governo britânico uma alternativa ao plano da primeira-ministra Theresa May, três vezes rejeitado em Westminster.

Londres tenta, a todo o custo, evitar uma saída sem acordo, bem como um atraso que obrigue o Reino Unido a participar nas próximas eleições europeias.

Stephen Barclay, ministro do Brexit: "Ter eleições europeias três anos depois do país ter votado para sair será maligno para a nossa política, de forma global. Mas a União Europeia também viu o voto [na Câmara dos Comuns] que tentou remover a opção de uma saída sem acordo. E a Câmara também recusou apoiar qualquer das opções apresentadas para um acordo."

Se não houver acordo até à cimeira europeia extraordinária do dia 10, o Reino Unido pode ser forçado a um longo atraso no Brexit. Mas, segundo a BBC, que cita uma fonte próxima das discussões em Bruxelas, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk poderá propôr a Londres uma extensão "flexível" de 12 meses.

A chanceler alemã, Angela Merkel, acredita que ainda é possível um acordo entre governo e oposição britânica até à próxima quarta-feira:

"Nós, os Vinte e Sete, vamos manter-nos unidos e queremos fazer tudo o possível até à última hora, para evitar uma saída desordenada do Reino Unido. Faremos um esforço significativo com esse objetivo mas, claro, é preciso fazê-lo juntamente com o Reino Unido."

O diretor da Organização Mundial do Comércio alertou ontem para os custos "bastante significativos" de uma eventual saída sem acordo para vários setores da economia britânica. Segundo a Standard & Poor's, O Reino Unido já perdeu seis mil e seiscentos milhões de libras em atividade económica por trimestre, desde que votou para sair da União Europeia.