Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Líderes europeus pressionam Theresa May

Líderes europeus pressionam Theresa May
Tamanho do texto Aa Aa

O novo pedido de extensão da data de saída do Reino Unido da União Europeia para 30 de junho foi recebido com ceticismo pelos líderes europeus.

O parlamento britânico teima em não chegar a uma decisão clara sobre o caminho a seguir.

Em Bruxelas a carta de Theresa May na qual ela pede mais tempo à União Europeia está longe de garantir uma nova extensão.

"Eu diria que o princípio de cooperação sincera é aplicável tal como a primeira-ministra May torna claro na carta e eu diria que, tal como o comissário europeu para o ambiente afirmou antes, trata-se de uma questão hipotética uma vez que pressupõe que existe uma extensão, o que ainda não foi decidido pelos nossos líderes", adianta o porta-voy da Comissão Europeia, Margaritis Schinas.

A França, pela voz da secretária de estado para as questões europeias, Amélie de Montchalin, afirma que a concessão de uma nova extensão depende da apresentação de um plano claro e credível por parte do governo britânico.

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, reagiu e diz que existem questões que têm que ser clarificadas até ao conselho europeu extraordinário da próxima semana.

"Podemos dizer que será a base para as deliberações co Conselho Europeu Extraordinário na próxima quarta-feira. Do nosso ponto de vista, é importante que a primeira-ministra não apenas se candidate a uma extensão mas reconheça igualmente que uma extensão até 30 de junho, significa que a Grã-Bretanha terá que se preparar para realizar eleições europeias", adianta Steffen Seibert, porta-voz da chanceler alemã, Angela Merkel.

Mas cumprida uma semana após a data inicial de saída do Reino Unido da União Europeia, muitos são de opinião que uma saída ordenada é cada vez mais improvável.

"Estamos a dirigir-nos para um Brexit duro. É claro que gostava de estar errado porque um Brexit organizado é muito melhor que um Brexit desordenado mas continuamos a não saber o que é que Londres quer", conclui Jyrki Katainen, Comissário Europeu para o Emprego, Crescimento, Investimento e Concorrência.

Praticamente três anos decorridos após o referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, a incerteza continua a dominar enquanto continua a contagem decrescente até ao dia 12 de abril.