Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Estratégia dos bombeiros salvou estrutura de Notre-Dame

Estratégia dos bombeiros salvou estrutura de Notre-Dame
Direitos de autor
Christophe Petit Tesson/Pool via REUTERS
Tamanho do texto Aa Aa

Sobreviveu a quase nove séculos de tumultos, guerras e revoluções. E, como tal, recorda-se em França, não será este incêndio a abalar a essência de Notre-Dame. Pelo menos, não a atestar pela sobrevivência da estrutura do monumento, das torres principais, do órgão do século 18 e de outros tesouros em torno dos quais não havia grandes esperanças. Mas, afinal, o que aconteceu?

"O procurador da República foi muito claro: não há nenhum indício que nos faça pensar noutra pista que não a acidental. De qualquer maneira, mobilizámos cerca de 50 inspetores, estamos a passar tudo a pente fino e a verdade será apurada", declarou Christophe Castaner, ministro do Interior francês.

Foi uma batalha que durou mais de 12 horas. O trabalho dos bombeiros está a ser amplamente elogiado, sobretudo porque, no momento mais crítico, foi tomada uma decisão que mudou o curso das coisas.

"Quando chegámos, o fogo era muito intenso. A estratégia do General Gallet, responsável da Brigada dos Bombeiros Sapadores de Paris, foi a de compartimentar as chamas. Ou seja, deixámos arder uma parte das obras para salvar tudo o resto, os campanários e toda a estrutura, para que seja possível reconstruir no futuro", revelou o capitão Alexandre Jouassard, da Federação Francesa de Bombeiros.

"Tenho sentimentos contraditórios. Por um lado, como toda a gente, fiquei de coração partido. Isto é um tesouro imenso, não apenas para Paris, nem para França, mas para o mundo inteiro. Por outro, estou impressionada com a quantidade de coisas que foram salvas. Temos de agradecer aos bombeiros pelo trabalho inacreditável que fizeram", salientava a embaixadora americana em Paris, Jamie D. McCourt.