Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O valor histórico da Catedral de Notre-Dame

O valor histórico da Catedral de Notre-Dame
Tamanho do texto Aa Aa

Por ano, a Catedral de Notre-Dame, em Paris, é visitada por mais de 14 milhões de pessoas.

Movidos pela fé ou pela simples curiosidade, os visitantes veem neste edifício um dos maiores monumentos ao Cristianismo no mundo, um lugar de paz e contemplação.

Concebida como uma imagem do próprio céu, a catedral evoca uma narrativa de beleza e autoridade divina.

"À data da construção foi uma maiores e mais belas catedrais, com estruturas e paredes elegantes, uma grande janela, com vitrais e o transepto. É o modelo de muitos edifícios na Europa durante a Idade Média e até fora da Europa, na era moderna. Foi a segunda geração de catedrais góticas, depois de Saint-Denis ou St. Germain des Près, em Paris, mas a estrutura de Norte-Dame é muito mais alta", explicou, em entrevista à Euronews, Dany Sandron, professor da Universidade Paris-Sorbonne.

A catedral é mundialmente reconhecida pelas relíquias e por outros objetos sagrados que alberga. Como a coroa de espinhos que se acredita ter restos da que foi usada por Jesus. Mas é o caráter único da construção que a torna tão venerada.

"Uma das coisas que estamos quase certos de ter perdido é o que chamam de 'charpente', a estrutura de base do telhado em madeira. Data em grande parte do século XIII. Chamavam-lhe a floresta porque tinha muitos hectares de carvalho. Este era o tipo de coisas pelo qual se travavam guerras no século XII. Já não temos muitas árvores daquele tamanho no mundo", acrescentou Andrew Smith, historiador na University College London.

Este não é apenas um edifício de pedra, com mais de oito séculos. A catedral de Notre-Dame tornou-se uma parte intrínseca de Paris, uma metrópole em constante crescimento, e mudou com ela.

"Não se consegue uma obra em pleno coração de França, intocada, de certa forma, como esta. É algo que faz parte do dia-a-dia e, por isso, foi remodelado, trabalhado e mudado ao longo da sua vida", lembrou Andrew Smith.

O edifício sobreviveu a guerras mundiais praticamente ileso. A esperança é que volte a renascer das cinzas.