A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Reflexões de quem vota pela primeira vez

Reflexões de quem vota pela primeira vez
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Muitos jovens chegam à idade adulta com novos desafios nos estudos, ao nível universitário, ou no mercado laboral. A partir dos 18 anos chega, também, a oportunidade de ter uma palavra a dizer na escolha dos representantes políticos.

A euronews foi ouvir as reflexões de duas universitárias irlandesas, Jenny e Denise, que estudam no Trinity College, em Dublin, e que votam pela primeira vez no próximo mês de maio, para as eleições europeias.

Denise: "É a primeira vez que voto nas eleições europeias. Não sei como será, mas espero que seja para nosso benefício".

Jenny: "Comecei a acompanhar a campanha primeiro pelo Instagram, vi um pouco o que se passava e li sobre a importância de votar".

Denise: "Como nasci numa ilha, e não num país no continente europeu, não sei se me sinto mais europeia ou irlandesa, penso que posso dizer que sou as duas coisas".

Jenny: "É muito emocionante votar, porque tudo o que acontece na Europa, que é um bloco maior do que a Irlanda, faz-nos sentir parte de um sistema maior, então votar para algo assim é bem fixe!"

Denise: "Sinto que os países da Europa precisam de orientar as suas escolhas mais no sentido das energias renováveis e de uma vida sustentável. Eu vejo a geração mais jovem a dizer que é preciso mudar, porque, no final das contas, não será a geração mais velha a sentir os efeitos, seremos nós. Penso que temos de liderar a mudança".

Jenny: "Eu sei que há uma crise da democracia neste momento, particularmente na Europa. É realmente muito interessante ver o que vai acontecer e qual o rumo que as coisas vão tomar".

Denise: "Não sei se posso dizer que confio nos políticos. Eles são os nossos representantes, mas não sei se pensam, realmente, nos nossos interesses ou nos interesses deles próprios. É complicado!"