A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

O ataque de Sri Lanka visto pela comunidade internacional

O ataque de Sri Lanka visto pela comunidade internacional
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

As ondas de choque dos ataques no Sri Lanka rapidamente deram a volta ao mundo e foram condenadas de forma unânime pela comunidade internacional. António Costa não foi exceção. O primeiro-ministro português lamentou a morte de um compatriota em Colombo e acrescentou que este ataque “só demonstra que o terrorismo é uma ameaça global que surge em todos os sítios e que atinge a todos”.

Também o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, sublinhou a necessidade de uma cooperação conjunta na luta antiterrorista:

"Sinto ao mesmo tempo uma profunda mágoa e uma raiva extrema. O Japão está determinado a trabalhar com o Sri Lanka e com a comunidade internacional na luta contra o terrorismo."

Scott Morrison, condenou o ataque durante uma cerimónia da comunidade do Sri Lanka em Melbourne. O primeiro-ministro australiano já confirmou a existência de dois compatriotas entre as vítimas mortais, dando ainda conhecimento de dois feridos:

"Os terríveis acontecimentos no Sri Lanka foram um ataque à beleza, um ataque à inocência da vida humana, é um dia incrivelmente triste."

Na Dinamarca chora-se a morte de três irmãos. O primeiro-ministro, Lars Løkke Rasmussen, admitiu ter ficado sem palavras...

"De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, existem três dinamarqueses entre os mortos provocados pelas explosões. Os familiares já foram informados e gostava de lhes manifestar o meu pesar. Não há palavras para o que eles estão a atravessar, o meu coração chora por eles. "

Já Donald Trump reagiu, como é habitual, no Twitter, e não deixou de trocar os pés pelas mãos. Na primeira publicação, entretanto apagada, o presidente dos Estados Unidos lamentou a morte de 138 milhões de pessoas. Cerca de meia hora depois chegou a inevitável correção...