A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Críticas ao fim da derrogação ao comércio de petróleo iraniano

Críticas ao fim da derrogação ao comércio de petróleo iraniano
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Turquia e a China criticaram a decisão dos EUA de pôr fim à derrogação das sanções para os países que ainda importam petróleo iraniano.

O ministro turco dos Negócios Estrangeiros, Mevlut Cavusoglu, foi muito duro, afirmando: "Politicamente não está certo. Eticamente não está certo. Em termos comerciais, definitivamente, não está certo. É também contra as leis internacionais de comércio, contra as leis da Organização Mundial do Comércio (OMC) e é arriscado para a estabilidade da região."

A China, que também é um dos principais clientes do Irão, acrescentou que os EUA não têm jurisdição para interferir. "A cooperação da China com empresas iranianas e com o Irão é aberta, transparente, razoável e legal, e deve ser respeitada", declarou o porta-voz do ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Geng Shuang.

A Casa Branca tinha avisado que as derrogações acordadas à China, Índia, Japão, Coreia do Sul e Turquia, após a saída dos Estados Unidos do acordo do nuclear com o Irão, expirariam em maio de 2019.

A decisão de Washington levou a uma queda acentuada da economia iraniana, com a moeda atingir mnimos recordes, a taxa de inflação a quadriplicar e os investidores estrangeiros a abandonarem, de novo, o país.