Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Portugal pede prudência, Brasil solidário com "povo escravizado por ditador"

Portugal pede prudência, Brasil solidário com "povo escravizado por ditador"
Direitos de autor
REUTERS/Carlos Garcia Rawlins
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A notícia dos últimos acontecimentos na Venezuela rapidamente deu a volta ao mundo e as reações não se fizeram esperar. O governo português já ativou os mecanismos de apoio para os emigrantes na Venezuela e pediu à comunidade portuguesa no país sul-americano para adotar comportamentos prudentes.

Em Espanha teme-se o derramamento de sangue e apela-se à realização de eleições.

Entre as instituições europeias também foi sublinhada a importância de seguir a via democrática na Venezuela. O Presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, no entanto, escapou ao discurso cauteloso da diplomacia e saudou o momento histórico para a democracia venezuelana.

Nos Estados Unidos, o Conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, referiu que os militares venezuelanos têm o dever de defender a Assembleia Nacional na luta contra a usurpação da democracia. No Brasil, Jair Bolsonaro mostrou-se solidário com o povo escravizado por um ditador.

No entanto nem todas as decisões foram no sentido de apoiar Guaidó ou de encontrar uma solução pacífica. O presidente da Bolívia, Evo Morales, lamentou o golpe de Estado promovido pelo líder da Assembleia Nacional e disparou na direção dos Estados Unidos.