A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Trump e Bolsonaro transmitem apoio a Guaidó

Trump e Bolsonaro transmitem apoio a Guaidó
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

No exterior da embaixada venezuelana, em Washington, apoiantes do líder da oposição Juan Guaidó; no interior da delegação diplomática, defensores do presidente Nicolás Maduro. Regularmente acusados de ingerência por Caracas, os Estados Unidos voltaram a expressar o apoio à transição de poder na Venezuela e o presidente Donald Trump disse, no Twitter, que o país "está do lado do povo da Venezuela e da sua liberdade".

O seu Conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, referiu que os militares venezuelanos que apoiam Guaidó têm o dever de defender a Assembleia Nacional na luta contra a usurpação da democracia. Bolton frisou que o principal objetivo dos Estados Unidos é "a transição pacífica de poder", mas acrescentou que, tal como já indicou Trump, "todas as opções estão na mesa".

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, também recorreu ao Twitter, para se dizer "solidário com o sofrimento do povo da Venezuela", que afirmou estar "escravizado por um ditador" apoiado pelos partidos da esquerda brasileira.

Na Rússia, que apoia o regime de Caracas, o ministério dos Negócios Estrangeiros acusou a oposição venezuelana de recorrer à violência, enquanto o presidente Vladimir Putin debatia a situação com o Conselho de Segurança russo.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou a ambas as partes envolvidas para evitarem o recurso à violência. O seu porta-voz, Stephane Dujarric, precisou que as Nações Unidas estão a apelar a todos os envolvidos para "exercerem um máximo de contenção, [...] dando passos imediatos para restabelecer a calma".

Na Europa multiplicam-se os apelos a uma solução pacífica, ao mesmo tempo que o governo português ativava mecanismo de apoio aos emigrantes a pedia à comunidade portuguesa na Venezuela para adotar uma posição prudente face à situação no país.