Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Um milhão de espécies em risco de desaparecer

Um milhão de espécies em risco de desaparecer
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

É considerado o mais completo relatório sobre a vida no planeta Terra nos últimos 50 anos. As conclusões da IPBES, a Plataforma Intergovernamental de Biodiversidade e Serviços Ecossistémicos - que funciona sob a égide da ONU - são devastadoras:

  • Um milhão de espécies enfrentam a extinção nas próximas décadas. 25% dos mamíferos, mais de 40% dos anfíbios e 10% dos insetos podem ter os dias contados na Terra. O número é o mais elevado dos últimos 65 milhões de anos.

  • 75% por cento do planeta está "severamente afetado" pelas atividade humana;

  • A produção de alimentos aumento 300 por cento desde 1970;
  • Um terço das reservas de peixe estão praticamente destruídas;
  • A produção de madeira e desflorestação subiram 45% nas últimas décadas.

A plataforma analisou dados recolhidos por 455 peritos de 50 países, ao longo de três anos. Para o presidente da organização, as conclusões provam que este não é apenas um problema ambiental. É um problema global.

"As perdas na biodiversidade e as alterações climáticas são questões do ambiente, desenvolvimento, economia e segurança e devem ser abordadas em conjunto. Não estão apenas na alçada dos ministros do Ambiente. Os governos têm de trabalhar transversalmente e os departamentos oficiais em todo o mundo têm de trabalhar juntos," avisa Robert Watson.

"Se queremos deixar aos nossos filhos e netos um mundo que não tenha sido destruído pela atividade humana, temos de agir agora. É fundamental que os governos e o setor privado ouçam as vozes dos pobres," acrescenta o presidente da IPBES. Mas apesar do diagnóstico trágico, a organização quer passar uma mensagem de esperança. É possível inverter a tendência de destruição. "Não queremos que as pessoas se sintam desanimadas; que pensem que nada há a fazer; que perdemos a batalha. Não perdemos e se dermos oportunidade à natureza, esta vai revigorar-se e prevalecer. Por isso, queremos que todos sintam que podem contribuir," afirma a secretária executiva da instituição.

Um apelo à alteração urgente de hábitos e formas de produção.