Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Huawei no centro da guerra comercial entre Washington e Pequim

Huawei no centro da guerra comercial entre Washington e Pequim
Direitos de autor
Reuters
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A China acusa os EUA de utilizarem as preocupações de segurança como pretexto para decretarem sanções prejudiciais contra as empresas chinesas. Em reação às medidas anunciadas por Washington, a gigante Huawei declarou: ..."restringir a Huawei de fazer negócios nos EUA não tornará os EUA mais seguros ou mais fortes; em vez disso, só servirá para limitar os EUA a alternativas inferiores e ainda mais caras".

O porta-voz do Ministério chinês do Comércio, Gao Feng, acusou a Casa Branca de proteccionismo: "A China tem enfatizado muitas vezes que o conceito de segurança nacional não deve ser abusado e não deve ser usado como ferramenta para o protecionismo comercial. A China espera que este importante país respeite as regras do mercado e crie um ambiente de negócios justo, transparente e estável".

Na quarta-feira, o presidente norte-americano, DonaldTrump, impediu as empresas americanas de utilizarem equipamento de telecomunicações feito por empresas que representam um risco de segurança. Separadamente, a Huawei e 70 afiliadas foram adicionadas a uma lista negra, que as impede de adquirirem componentes dos EUA.

A Casa Branca está a pressionar a Europa para que assuma uma posição igualmente dura em relação à gigante chinesa das telecomunicações. Numa visita recente, o Secretário Mike Pompeo instou o Reino Unido a não permitir que a Huawei desempenhe um papel crucial nas redes 5G.

A segurança da 5G foi tema de uma reunião de oficiais de segurança europeus e ocidentais no início deste mês. A Huawei tem estado na mira dos governos ocidentais e particularmente do governo norte-americano, por suspeita de espionagem, prática que a empresa tem negado sempre.

Perante a pressão americana, o vice-presidente executivo da Huawei, no Reino Unido, Jeremy Thompson, viu-se obrigado a declarar: "Se ajudar, assinaremos um acordo de não-espionagem com o governo do Reino Unido. Existem mecanismos já em vigor no Reino Unido e, na verdade, de acordo com o NCSC (National Cyber Security Centre), é a atividade mais rigorosa da Huawei globalmente"(....) "Em alguns aspectos, os Estados Unidos estão descurar a 5G, se compararmos com o Reino Unido, que colocou a 5G no centro da estratégia industrial".

Com muitos países da UE a prepararem a atribuição das licenças 5G ainda este ano, a Europa tornou-se num território a conquistar a todo o custo para o gigante chinês que domina a última geração de tecnologia. Um assalto que os Estados Unidos tentam evitar.