Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Madonna coloca Palestina ao lado de Israel na final da Eurovisão

Madonna deixa referência implícia à solução de dois estados em Jerusalém
Madonna deixa referência implícia à solução de dois estados em Jerusalém -
Direitos de autor
Orit Pnini for KAN/via REUTERS
Tamanho do texto Aa Aa

Madonna defendeu sábado à noite de forma implícita a solução de dois estados defendida para resolver o conflito entre Israel e a Palestina.

A "rainha da Pop" atuou durante a final do Festival Eurovisão da Canção, em Telavive, e colocou dois dos respetivos dançarinos a desfilar de braço dado mostrando para mais de 200 milhões de espetadores a assistir em direto por todo o mundo as bandeiras de Israel e da Palestina, lado a lado (foto em cima).

A afirmação política de Madonna está a ser interpretada como um apelo à paz na região, mas também à igualdade entre os dois povos, separados há décadas por um conflito histórico agravado pela imposição de colonatos israelitas em territórios reconhecidos como palestinianos.

O estatuto da cidade Jerusalém, reclamada como capital tanto por israelitas como por palestinianos, também é outro ponto de divisão e discórdia, atualmente agravado pela decisão unilateral do Presidente dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e para ali ter mudado a embaixada norte-americana.

À margem da mensagem política de Madonna, a final da Eurovisão ditou o regresso aos triunfos da Holanda, com "Arcade", de Duncan Laurence, a colocar um ponto final a 44 anos de jejum dos Países Baixos no festival europeu.

A última vitória holandesa tinha acontecido em 1975, por Teach, com o tema "Ding-a-dong", numa edição em que participou o "capitão de abril" português Duarte Mendes, com "Madrugada."

Duncan Laurence recolheu 492 pontos (231 do júri e 261 dos telespetadores).

Na segunda posição, a 27 pontos, ficou a Itália, com "Soldi", de Mahmood, um artista de ascendência paterna egípcia e que havia sido muito criticado pelo ministro do Interior, o nacionalista Matteo Salvini.

A Rússia, com "Scream", do moscovita Sergey Lazarev, somou 369 pontos e fechou o pódio.