A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Crise política na Áustria entra na campanha

Crise política na Áustria entra na campanha
Direitos de autor
REUTERS/Leonhard Foeger
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Chanceler austríaco assume publicamente a ruptura com o parceiro de coligação, a extrema-direita do Partido da Liberdade, que perdeu o líder, acusado de corrupção.

O Ministro austríaco do Interior esteve na mira do chanceler Sebastian Kurz. À frente de um executivo onde há pastas-chave nas mãos de quadros do Partido da Liberdade, apesar das acusações de corrupção que levaram à demissão do líder de extrema direita, o chefe de governo usa o palco público para denunciar o desconforto e questionar "em particular, a decisão do Ministro do Interior de nomear o já controverso Secretário-Geral Goldgruber como Diretor-geral da Segurança Pública, mostrandoa que não existe a necessária consciência para ultrapassar e lidar com o escândalo."

O escândalo que levou à demissão do líder do Partido da Líberdade e vice-chanceler, depois de divulgadas imagens que sugerem estar envolvido num esquema de corrupção com milionários russos.

Na resposta, o ministro do Interior sacode responsabilidades na investigação aos casos de corrupção... Herbert Kickl acusa o líder austríaco de conviver com abusos de poder. "No que toca às investigações e procedimentos legais contra as figuras de topo do Partido da Liberdade, como Ernst Strasser, por causa da corrupção, tanto o ministro da Justiça, como o ministro do Interior estavam nas mãos do partido. Às vezes pergunto-me porque é que o chanceler federal desta República ou os seus conselheiros vão tão longe para garantir um serviço público sem falhas, ao lado de tantos abusos de poder," afirma Kickl.

Depois da demissão do vice-chanceler, o presidente da Áustria aceitou convocar eleições antecipadas para setembro.