Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

As múltiplas consequências do voto romeno

As múltiplas consequências do voto romeno
Tamanho do texto Aa Aa

As eleições europeias tiveram consequências mais profundas do que as esperadas na Roménia, onde a participação de 49% foi enorme, em comparação com as eleições anteriores de 2014.

A vitória surpresa da oposição terminou com o reinado de 10 anos de um partido repetidamente acusado de corrupção. Isso foi seguido por um choque ainda maior no dia seguinte, quando o líder social-democrata Liviu Dragnea, recebeu uma sentença de prisão e se entregou à polícia. Tudo isto enquanto a Roménia se prepara para encerrar a sua presidência da UE. Analistas dizem que os eleitores pró-europeus enviaram uma mensagem clara.

"Havia algumas mensagens, havia algumas atitudes - antieuropeias - surpreendentemente vindas da liderança política do país. E elas falharam. Elas não conseguiram obter o apoio necessário da opinião pública. Então, a mensagem é clara: para a Roménia e para os romenos, o projeto da União Europeia significa exatamente o que precisamos e o que consideramos ser o principal local para a Europa no futuro", refere Cristian Diaconescu, analista político.

Muitos ativistas e jornalistas assumiram a tarefa de convencer as pessoas de que seu voto contaria. A estação de rádio Europa FM liderou a campanha “Todos pela Europa”.

"A maioria dos romenos sente-se realmente europeia. Temos uma emigração muito, muito forte - alguns dizem que há 5 milhões de cidadãos romenos que trabalham no estrangeiro, a maioria na Europa ocidental. Mentalmente, penso que a maioria dos romenos pensa, acredita e sente-se como europeia. O problema tem sido com os governos ", explica Vlad Petreanu, apresentador da rádio Europa FM.

As tentativas de Dragnea de reverter as reformas anticorrupção e enfraquecer o estado de direito colocaram o partido em rota de colisão não apenas com a Comissão Europeia, mas também com o grupo socialista no parlamento europeu. Agora a primeira-ministra tenta construir pontes.

"Vou até Bruxelas, falarei com Frans Timmermans, falarei com os líderes europeus, os chamarei meus colegas de Portugal e da Espanha, para que possamos restabelecer o diálogo com os social-democratas europeus", anunciou a primeira-ministra, Viorica Dăncilă.

Um referendo sobre a justiça convocado pelo presidente, que teve lugar no mesmo dia que o voto da UE, também enviou uma mensagem avassaladora de apoio aos princípios europeus e ao Estado de direito.