Última hora
This content is not available in your region

As múltiplas consequências do voto romeno

euronews_icons_loading
As múltiplas consequências do voto romeno
Tamanho do texto Aa Aa

As eleições europeias tiveram consequências mais profundas do que as esperadas na Roménia, onde a participação de 49% foi enorme, em comparação com as eleições anteriores de 2014.

A vitória surpresa da oposição terminou com o reinado de 10 anos de um partido repetidamente acusado de corrupção. Isso foi seguido por um choque ainda maior no dia seguinte, quando o líder social-democrata Liviu Dragnea, recebeu uma sentença de prisão e se entregou à polícia. Tudo isto enquanto a Roménia se prepara para encerrar a sua presidência da UE. Analistas dizem que os eleitores pró-europeus enviaram uma mensagem clara.

"Havia algumas mensagens, havia algumas atitudes - antieuropeias - surpreendentemente vindas da liderança política do país. E elas falharam. Elas não conseguiram obter o apoio necessário da opinião pública. Então, a mensagem é clara: para a Roménia e para os romenos, o projeto da União Europeia significa exatamente o que precisamos e o que consideramos ser o principal local para a Europa no futuro", refere Cristian Diaconescu, analista político.

Muitos ativistas e jornalistas assumiram a tarefa de convencer as pessoas de que seu voto contaria. A estação de rádio Europa FM liderou a campanha “Todos pela Europa”.

"A maioria dos romenos sente-se realmente europeia. Temos uma emigração muito, muito forte - alguns dizem que há 5 milhões de cidadãos romenos que trabalham no estrangeiro, a maioria na Europa ocidental. Mentalmente, penso que a maioria dos romenos pensa, acredita e sente-se como europeia. O problema tem sido com os governos ", explica Vlad Petreanu, apresentador da rádio Europa FM.

As tentativas de Dragnea de reverter as reformas anticorrupção e enfraquecer o estado de direito colocaram o partido em rota de colisão não apenas com a Comissão Europeia, mas também com o grupo socialista no parlamento europeu. Agora a primeira-ministra tenta construir pontes.

"Vou até Bruxelas, falarei com Frans Timmermans, falarei com os líderes europeus, os chamarei meus colegas de Portugal e da Espanha, para que possamos restabelecer o diálogo com os social-democratas europeus", anunciou a primeira-ministra, Viorica Dăncilă.

Um referendo sobre a justiça convocado pelo presidente, que teve lugar no mesmo dia que o voto da UE, também enviou uma mensagem avassaladora de apoio aos princípios europeus e ao Estado de direito.