Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Conflito entre israelitas e palestinianos dificulta escolarização das crianças

Conflito entre israelitas e palestinianos dificulta escolarização das crianças
Tamanho do texto Aa Aa

O conflito entre israelitas e palestinianos dificulta a escolarização de milhares de alunos.

A euronews esteve em Hebron, na Cisjordânia, uma cidade dividida em duas partes. 80% do território está sob controlo palestiniano, a chamada área H1. 20% da cidade está sob controlo israelita, a chamada área H2, onde 40 mil palestinianos vivem ao lado de 800 colonos israelitas sob a proteção de 650 militares. Para irem à escola, cerca de 4200 estudantes palestinianos em Hebron são obrigados a passar por postos de controlo.

Hebron é a única cidade palestiniana onde os colonatos israelitas se encontram dentro da cidade. Áreas inteiras controladas pelos israelitas foram fechadas para proteger os colonos. A rua Shuhada, onde antes ficava um animado mercado, é hoje uma "zona estéril". Apesar de viverem nessa parte da cidade, os palestinianos não podem circular à vontade.

Ir à escola: uma luta diária

Para Waed Sharabati, uma estudante palestiniana de 13 anos, ir à escola é uma luta diária. "Todos os dias, quando vou à escola, enfrento muitos desafios. Há muitos soldados. Somos revistados todos os dias e chego sistematicamente atrasada", contou Waed Sharabati.

Em frente do portão da escola primária, há um posto de controlo onde a euronews não foi autorizada a filmar.

O apoio da União Europeia aos alunos palestinianos

Devido à pressão vivida pelos estudantes, a escola foi incluída no programa Aprender Melhor, uma iniciativa financiada pela Ajuda Humanitária da União Europeia e implementada pelo Conselho para os Refugiados da Noruega.

"Este ano, queremos ajudar 80 escolas na Cisjordânia. Nas escolas mais vulneráveis, 20% das crianças ficaram fortemente traumatizadas. Os resultados são promissores porque em média dois terços das crianças passam de quatro pesadelos por semana, a zero pesadelos", contou Camilla Lodi, responsável da organização norueguesa.

O programa inclui exercícios de relaxamento para ajudar os estudantes a melhorarem a concentração, aulas especiais para os estudantes com dificuldades de aprendizagem e sessões de ajuda psicológica para as crianças que têm pesadelos regularmente.

"Quando comecei o programa, aprendi a controlar a minha ira e a ultrapassar os desafios. E tenho melhores resultados na escola", contou Waed Sharabati.

38 mil estudantes expostos à violência

A União Europeia financia vários programas para garantir o acesso das crianças à educação em numerosos países. Hebron é um dos sítios mais complicados.

"De acordo com as estimativas da ONU, há 38 mil estudantes expostos à violência relacionada com o conflito na área controlada pelas autoridades israelitas em território palestiniano. Há cerca de 50 escolas nessa área que correm o risco de ser demolidas", afirmou Michelle Cicic, da Ajuda Humanitária da UE.

"Para a União Europeia, a educação é um direito humano básico. Estas violações dos direitos humanos têm um impacto nas crianças e na possibilidade de elas irem à escola de forma segura", acrescentou a responsável da UE.

Israelitas prendem menores

Para os habitantes da área H2 em Hebron, a vida quotidiana é difícil. "Pode haver um ataque a qualquer momento. Os colonos podem usar gás pimenta. Podem atacar-nos com tanques e podem atacar os nossos filhos", queixou-se Zidane Sharabati, palestiniano residente em Hebron.

As autoridades israelitas prendem frequentemente menores, à volta e dentro das escolas. Atualmente, cerca de duzentas crianças estão detidas nas prisões israelitas, vinte e uma são oriundas de Hebron. O Centro de Informação Israelita para os direitos humanos nos territórios ocupados critica as ações do exército.

"Para o exército israelita, a questão dos menores é uma forma de gerir a ocupação. Todos os aspetos da vida dos palestinianos estão expostos ao conflito. Tudo depende das decisões arbitrárias dos israelitas", criticou Hagai El-Ad, diretor da estrutura.