Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Faltam mulheres na área da Inteligência Artificial

Faltam mulheres na área da Inteligência Artificial
Tamanho do texto Aa Aa

Muita gente acredita que a Inteligência Artificial abre novas possibilidades de emancipação.

Muthoni Wanyoike ensina as bases da Inteligência Artificial a mulheres, em Nairobi, no Quénia, o que lhes dá a possibilidade de trabalhar a partir de casa, num domínio promissor para o continente africano.

"A minha grande esperança em relação à Inteligência Artificial, e ao contrário de outras tecnologias, é que ela pode dar aos africanos a possibilidade de responder às necessidades do nosso continente. Usamos os dados que que dispomos. Por exemplo, na área dos cuidados de saúde, a Inteligência Artificial poderá garantir cuidados de qualidade sem precisarmos de ter um elevado número de médicos", explicou à euronews Muthoni Wanyoike, da Organização Nairobi Women in Machine Learning and Data Science.

Quem está por trás da Inteligência Artificial?

O mundo da Inteligência Artificial está recheado de estereótipos. Para a especialista queniana são precisas mais mulheres nesta área.

"A questão é que atualmente apenas 0,5% da população pode programar ou criar algoritmos, o que significa que há apenas uma pequena parte da população a criar os sistemas que estão a gerir o mundo", sublinhou Muthoni Wanyoike.

Muthoni Wanyoike foi uma das convidadas do Fórum dos Media da Eurásia, em Almaty, no Cazaquistão. O evento reúne todos os anos centenas de investigadores, políticos e especialistas das mais diversas áreas para para debater o estado do mundo.

A inteligência artificial baseia-se em dados, algoritmos e circuitos eletrónicos e inspira-se no funcionamento do cérebro humano. O grande desafio da inteligência artificial é criar um sistema capaz de aprender a partir de exemplos e capaz de de corrigir erros.

"O meu entusiasmo ultrapassa os meus medos, mas também tenho receios. Enquanto humanos inteligentes, temos o potencial de criar máquinas muito espertas. Mas, o passado mostra-nos que fazemos muitas asneiras. Se não houver uma forma de as pessoas assumirem a responsabilidade dos sistemas que elas criam, então criaremos máquinas estúpidas que poderão causar muitos problemas no futuro", adverte a especialista queniana.

A Inteligência Artificial pode gerar desemprego

Martin Ford define-se como um futurista. Para escrever o seu último livro intitulado "Arquitetos da Inteligência" falou com grandes investigadores e empresários da área da Inteligência Artificial.

"É uma espada de dois gumes. Vai trazer benefícios enormes ao nível da inovação científica, na medicina, coisas que vão melhorar a sociedade, mas, por outro lado, a inteligência artificial vai provavelmente levar ao aumento das desigualdades e do desemprego, pelo menos entre as pessoas que fazem um trabalho mais rotineiro e repetitivo", considerou Martin Ford.

A criação de um rendimento mínimo universal poderá ser uma das formas de resolver o problema do desemprego.

"Vamos precisar de um rendimento universal, para que cada pessoa possa ter um rendimento mínimo para sobreviver. Caso não haja esse rendimento, as desigualdades poderão aumentar e algumas pessoas ficarão numa situação muito difícil.

O impacto da IA na comunicação social

Para o especialista norte-americano a Inteligência Artificial vai exercer uma enorme influência na área da comunicação social.

"Terá um enorme impacto. Já há artigos escritos automaticamente. Há sistemas que analisam um conjunto de dados, detetam o mais interessante nesses dados e gerou um artigo e não é fácil perceber que o artigo foi escrito por um algoritmo e não por um jornalista humano", sublinhou Martin Ford.

Um salto tecnológico?

O Fórum dos Media da Eurásia decorreu em Almaty, no Cazaquistão, entre 22 e 24 de maio. Para o país anfitrião, as novas tecnologias são uma promessa de desenvolvimento acelerado.

"Nos Estados Unidos, o capital é investido em Silicon Valley e muitas novas tecnologias estão a ser aplicadas à indústria financeira, como o big data e a inteligência artificial. Trata-se de uma grande oportunidade para o Cazaquistão, um país onde não houve um grande investimento nas infraestruturas da indústria financeira. É uma oportunidade para darmos um grande salto para a frente", afirmou Kairat Kelimbetov, governador do Centro Financeiro Internacional de Astana.