Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

"Dizer não à Macédonia do Norte é mau para a UE"

"Dizer não à Macédonia do Norte é mau para a UE"
Tamanho do texto Aa Aa

Juntamente com a Albania, a Macedónia do Norte recebeu luz verde para encetar negociações de associação com a União Europeia. A recomendação tem de ser aprovada por unanimidade pelos líderes da UE. Alguns Estados-Membros como a França, a Holanda ou a Dinamarca parecem ter pouco ou nenhum apetite para um novo alargamento com o receio de "euroceticismos" nacionais.

Uma posição que não agrada ao ministro dos Negócios Estrangeiros da Macedónia do Norte, Nikola Dimitrov.

"Dizer não à Macedónia do Norte este ano enfraquece a credibilidade da União Europeia na região. As apostas são muito altas tanto do lado da UE quanto do nosso lado. Para a região, temos apenas duas visões concorrentes. A visão europeia é tornar as democracias melhores melhores, governar pelo Estado de Direito, cooperar umas com as outras, negociar e as fronteiras não são muito importantes. A outra visão concorrente é o foco nas fronteiras, especialmente nas fronteiras étnicas, e vimos o que aconteceu nos anos 90 com essa visão. Portanto, as apostas são muito altas", explicou à Euronews.

No ano passado, o país conseguiu resolver uma disputa de nome de quase três décadas com a Grécia e mudou o nome e a constituição embora com fortes reações. Para o país, este foi o principal obstáculo no caminho para a Europa e a NATO.

"Conseguimos tornar-nos maiores sem mudar territórios e isso diz muito, ver como um país trata os vizinhos. Então, foi necessária uma grande liderança e pensar naquilo que gostaríamos de ver daqui a dez anos e não apenas marcar mais pontos nas próximas eleições", conclui.