Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Papa celebra missa em região de maioria húngara

Papa celebra missa em região de maioria húngara
Tamanho do texto Aa Aa

Em visita à Roménia, o Papa Francisco passa este sábado pelo País Sículo, região histórica e etnográfica de maioria húngara. O Sumo Pontífice celebrará uma missa em Şumuleu Ciuc, também conhecido pelo nome húngaro de Csíksomlyó, localidade onde se encontra o santuário com a estátua da Virgem Maria, que marca o fim de uma rota de peregrinação com mais de 1400 quilómetros, com início na Áustria.

Um peregrino explica que saiu da localidade austríaca de "Mariazell a 29 de março" para chegar aqui "a tempo da visita do Papa".

Contrariamente aos peregrinos e turistas ocasionais, o líder da Igreja Católica chegará aqui de helicóptero vindo diretamente da capital romena, prometendo agitação a uma área habitualmente pacata. Se os residentes estão contentes com a visita, também há quem critique todo o dispositivo que rodeia a deslocação.

Um habitante explica que "todos imaginam receber o Papa com o coração e estar perto dele, de forma espontânea. Mas agora vêem que as coisas serão diferentes, devido à enorme rede de segurança que o rodeia. É demasiado aparato para uma visita".

O País Sículo está a centenas de quilómetros da fronteira húngara, mas aqui o húngaro é o idioma nativo e a maioria da população local quer mais autonomia cultural, o que se traduz em tensões constantes com as autoridades romenas.

O presidente da câmara da localidade vizinha de Racu (ou Csíkrákos em húngaro) explica que "há um contexto histórico que afeta o quotidiano. Há 100 anos [...] as fronteiras foram redesenhadas sem consultar o povo, que foi forçado a viver numa nação diferente".

Para a comunidade húngara desta região em pleno coração da Roménia, a visita do Papa é assim vista como uma oportunidade para trazer de novo a questão de uma autonomia alargada para a ordem do dia.